A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

25/09/2019 07:05

Setembro Amarelo

Por Rosildo Barcellos (*)

A morte não é contrário da vida, e sim sua consequência. Historicamente a palavra suicídio (etimologicamente sui = si mesmo; - caedes = ação de matar) foi utilizada pela primeira vez por Desfontaines, em 1737 e significa fenecimento auto-inflingido, isto é, quando a pessoa, por desejo de escapar de uma situação de sofrimento intenso, decide tirar sua própria vida.

A tensão nervosa culmina em conflitos intrapsíquicos que transtorna a tal ponto, que a morte torna-se único acalento e a inevitável solução dos problemas. E uma segunda vertente aponta para que o suicida deposite a culpa de sua morte nos outros indivíduos que compõem seu ambiente social. Neste caso o suicídio funciona como um ''castigo''. É como revidar uma agressão do ambiente que o envolve. Por isto os recados dizendo “agora você vai se lembrar de mim o resto de sua vida”

Na civilização romana, importante era a forma de morrer: com dignidade e no momento certo. Para os primeiros cristãos, a morte equivalia a libertação, pois a doutrina pregava que a vida era um "vale de lágrimas e pecados". Nesse momento a morte surgia como um atalho ao paraíso. Nos séculos V e VI, nos Concílios de Orleans, Braga e Toledo, proibiram as honras fúnebres aos suicidas, e determinaram que mesmo aquele que não tivesse obtido sucesso em uma tentativa deveria ser excomungado. Os familiares dos suicidas eram deserdados e vilipendiados, enfrentando os preconceitos sociais. Apenas na Renascença a humanidade dos suicidas foi reconhecida, o romantismo desse período forjou uma nova áurea de aceitabilidade.

Não obstante, em outras culturas, o suicídio era um ato de bravura, como quando os kamikazes direcionaram seus aviões-bomba aos contratorpedeiros americanos em Pearl Harbor. Por outro lado, quando buscamos uma solução bíblica encontramos "nenhum homicida tem permanentemente nele, a vida eterna" (1 João 3.15). O Marquês de Maricá dizia: “Os nossos maiores inimigos existem dentro de nós mesmos” uma fronteira tênue.

Outrossim, o que precisamos mesmo, independente do conceito técnico ou histórico é contribuir, independente das dificuldades que cada um de nós temos, possam identificar, que determinado indivíduo, possui um problema que pra ele ou ela é grandioso e devorador, e que se deprime ou se anula como pessoa, podendo desenvolver um quadro de depressão, que na minha percepção, é o mal do século: pois as famílias não conversam mais, não almoçam juntas e não vejo mais cadeiras nas calçadas. Acredito ainda, que o suicidado quer verbalizar a todos, que sua palavra precisa ter valor; que precisa de atenção, claro, como todos nós! Por isso nunca esqueça do seu próximo, de responder as mensagens, os emails, ou simplesmente... agradecer pelo que “fez ou faz”(isso mesmo: não ser ingrata, tampouco egoísta)...isso “faz e fará”, uma diferença incomensurável: acredite!

(*) Articulista, com 1303 artigos publicados.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions