A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Setembro de 2017

23/11/2012 09:48

Votar o novo CPC, um imperativo ético!

Por Fábio Trad (*)

Ao votar, enfim – como é de se crer que o faça nos próximos dias –, o novo Código de Processo Civil, a Câmara dos Deputados, além de assegurar ao Poder Judiciário a dinâmica que confere à judicatura o seu caráter garantidor da ordem social, estará se submetendo ao imperativo ético e moral de tornar exequível e efetivo o princípio constitucional da “igualdade para todos”, hoje pouco mais que miragem jurídica.

Tantas vezes repetida, a constatação de que “justiça morosa ou tardia é, quase sempre, injustiça” não pode dissimular, pela sua obviedade, os efeitos perversos de um tempo processual em total descompasso com a dinâmica social.

Tanto mais, porque essa assimetria penaliza, impiedosamente, aqueles que não dispõem de meios para suportar os tempos infindos dos ritos processuais. Pior ainda se o cidadão comum se defronta, nos tribunais, com o poder arrogantemente infinito do Estado.

Sem arrogar-se qualquer pendor ‘redentorista’, o novo Código de Processo Civil oferece-se à inadiável apreciação da Câmara Federal, como estatuto jurídico articulado através da contribuição de lúcidas inteligências – reconhecidas entre os operadores de Direito, a academia, o Parlamento etc – e amplamente debatido nos mais diversos segmentos da sociedade.

Câmara e Senado devem, sim, aperfeiçoar o CPC, porém protelar sua votação ou, pior ainda, manobrar para enterrá-lo sob o peso morto do impenitente substitutivo do esquecimento, constituiria imperdoável renúncia política e ética do Legislativo.

Aliás, a propósito da ainda sussurrada intenção de alguns, de retirar a votação do CPC da pauta da Câmara Federal, é oportuno lembrar Giambattista Vico em ‘Princípios de uma Ciência Nova’: “Os fracos querem as leis. Os poderosos lhas recusam. Os ambiciosos, para granjear popularidade, promovem-nas. Os príncipes, para igualar os poderosos e os débeis, protegem-nas”.

A Comissão Especial não pode, sob qualquer pretexto, encarnar os “poderosos” que recusam as leis aos “fracos”, sob pena de permitirmos, com a nossa omissão, que os “ambiciosos” promovam-nas no tempo oportuno para si em benefício de sua vaidade populista e em prejuízo da justiça e da democracia. E, sobretudo, dos “fracos”, do cidadão comum, vítima maior da morosidade.

O novo Código de Processo Civil contempla, objetivamente, o contexto social e político contemporâneo, com toda a sua complexa rede de relações novas e de impasses emergentes. Por isso busca conciliar celeridade e segurança jurídica. Sem a miragem de soluções mágicas, vislumbra, no horizonte de sua concreta aplicação, o equilíbrio entre a fundamental garantia do contraditório e da ampla defesa com a indispensável duração razoável do processo.

Para que se tenha ideia da extensão do universo que gira em torno do Código de Processo Civil – e que depende de sua dinâmica (ou de sua inércia) gravitacional para cumprir o tempo processual – o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aponta que em 2011 tramitaram em todo o Judiciário quase 90 milhões de processos, dos quais 26 milhões ingressaram nos tribunais naquele ano, quando foram proferidas 23,7 milhões de sentenças e decisões.

Ao estabelecer progressiva redução do enorme descompasso entre a dinâmica social e a lenta prestação jurisdicional, o novo Código de Processo Civil certamente conferirá ao Poder Judiciário, a celeridade que, sem risco à segurança jurídica, vai assegurar ao cidadão, não apenas o acesso à justiça, mas o direito fundamental a uma decisão ou sentença que, para ser justa não pode ser morosa.

Por isso, a sociedade nacional deve mobilizar suas lideranças e organizações mais representativas para cobrar do Parlamento brasileiro a aprovação do novo Código de Processo Civil.

Afinal, o Poder Legislativo não tem o direito de negar à nação o estatuto jurídico que, além de simplificar os ritos e prazos processuais, confere à processualística a fundamental sintonia com os princípios consagrados na Carta Constitucional de 1988, que ampliou os direitos e garantias dos cidadãos, consagrou como direito fundamental o acesso à justiça e subordinou todo o ordenamento jurídico à promoção da dignidade da pessoa humana.

(*) Fabio Trad, deputado federal (PMDB/MS), preside a Comissão Especial do novo CPC na Câmara dos Deputados.

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



Sem dúvida nenhuma!

Não se sustenta a protelação de um código com DNA democrático como este projeto do novo CPC, caso as forças nefastas dos poderosos façam pressão, é imperioso que se evidencie para a opinião pública o nome dos responsáveis!
 
Paulo Ferraz em 26/11/2012 15:53:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions