ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, SÁBADO  05    CAMPO GRANDE 22º

Capital

"Estão investigando pessoas por seus advogados", diz defensor de guarda

Alexandre Franzoloso está entre os envolvidos na operação que vão ser ouvidos nesta quinta-feira pelo Gaeco

Por Marta Ferreira | 03/10/2019 15:16
O advogado Alexandre Franzoloso chega ao Gaeco. (Foto: Liniker Riberio)
O advogado Alexandre Franzoloso chega ao Gaeco. (Foto: Liniker Riberio)

O advogado Alexandre Franzoloso é um dos depoentes que estão no Gaeco (Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) que estão sendo ouvidas nesta quinta-feira (3) como parte da Operação Omertà, deflagrada na sexta-feira passada (27) para desmantelar organização criminosa à qual são atribuídas pelo menos 8 execuções no perído de 10 anos, em Campo Grande. O grupo, conforme as apurações, seria chefiado pelos empresários Jamil Name, 8 anos, e Jamil Name Filho, 42.

No dia da operação, a casa de Franzosolo, na Vila do Polonês, foi alvo de busca e apreensão. Foram levados documentos e computadores para subsidiar o trabalho de investigação. O celular dele também deveria ser apreendido, mas como o criminalista estava fora de Campo Grande, o aparelho só foi levado ao Gaeco na terça-feira (1º) segundo Franzoloso informou por telefone à reportagem do Campo Grande News.

O advogado afirma que não há nada no relatório da investigação que o coloque como suspeito de algum crime. De acordo com ele, o c conteúdo citado indica que ele fez apenas o trabalho de defender e orientar seu cliente, o guarda civil municipal Marcelo Rios, preso desde maio, quando foi flagrado com arsenal em imóvel pertencente ao empresário Jamil Name, 80 anos, considerado pelo Gaeco o chefe de um grupo de extermínio.

“O que aconteceu comigo, além de ter sido um absurdo, afeta a advocacia como um todo. Estão investigando pessoas através de seus advogados”, diz.. “ E isso não vamos aceitar”, complementa.
Franzoloso é presidente no Estado de entidade que reúne advogados criminalistas, Abracrim. A entidade divulgou nota depois das prisões criticando o que chamou de criminalização da advocacia. “Alexandre Gonçalves Franzoloso se trata de advogado militante na área criminal em todo País, aguerrido e firme em suas manifestações e estratégias defensivas de seus constituintes” afirma o texto.

“Vou responder a tudo que me perguntarem, mas a minha atuação cingiu-se a atuar como advogado criminalista”, afirma. Ao chegar ao Gaeco, Franzoloso disse que conversaria com as equipes só depois do depoimento.

Não foi preso - Estão sendo ouvidos hoje os 10 envolvidos que tiveram prisão provisória, por 30 dias, decretadas pela Justiça quando autorizou a operação. Franzoloso não está preso porque conseguiu liminar no Tribunal de Justiça, impedindo o cumprimento da ordem.

Porém, vai ser ouvido para a continuidade das investigações. Pesa contra ele, segundo as investigações, a acusação de ter tentado coagir testemunhas e até uma Defensora Pública.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário