A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

07/02/2014 19:25

Com tom político, produtores cobram solução para demarcações em MS

Kleber Clajus
Produtores criticam PT por favorecer invasões e defendem que terras sejam tituladas à indígenas (Foto: Cleber Gellio)Produtores criticam PT por favorecer invasões e defendem que terras sejam tituladas à indígenas (Foto: Cleber Gellio)

O lançamento do “Movimento Nacional de Retomada do Brasil” na Praça do Rádio Clube, nesta sexta-feira (7), em Campo Grande também foi pautado por críticas a presidente Dilma Rousseff e ao Partido dos Trabalhadores, a quem os produtores atribuem o incentivo as ocupações das terras em Mato Grosso do Sul. Eles também defenderam que, quando demarcadas, as terras sejam tituladas aos indígenas e não a União.

Para o produtor Pedro Pedrossian Filho, organizador do movimento nas redes sociais, uma simples “canetada” da presidente poderia resolver o impasse entre indígenas e produtores rurais.

“Dilma não tem esse interesse. Era só ela proibir os índios de invadir com um decreto presidencial e depois titular”, pontua o filho do ex-governador do Estado, Pedro Pedrossian, que teve a propriedade de mil hectares, em Miranda, invadida em 2009.

A professora de filosofia Ana Nogueira também veio de Miranda e acredita que a titulação de terras para a União favorece a possibilidade de não se indenizar o produtor rural. Para ela, a bancada federal do Estado também precisa ter “coragem de decidir de que lado estão”.

“Não há vontade política do PT em diminuir o conflito, ao contrário, eles querem a invasão, pois uma vez que a terra é invadida eles falam que é indígena e portanto passa a ser da União. O PT incita a invasão para evitar ter que pagar indenização”, diz Ana Nogueira.

Marcio Margato, que possui propriedade de 580 hectares em Iguatemi, também acredita que condições para negociar houveram “de sobra”. O que faltou, no entanto, foi fazer uso delas.

“O produtor quer ser dono do que já é dele. Nosso adversário hoje é a Funai (Fundação Nacional do Índio) e vamos [nas eleições] também contra o PT (Partido dos Trabalhadores)”, ressalta Margato, que na região em que vive sabe de uma propriedade invadida.

Não representa - Enquanto os produtores listavam suas reivindicações, estudantes de Ciências Sociais da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) investiram contra o grupo com palavras de ordem, chamando-os de “fascistas”, “assassinos” e de que “onde o gado come, o índio passa fome”.

Em resposta a provocação, o indígena Abrão Motelo, 65 anos, se dirigiu aos jovens dizendo que estes “não tem qualidade para representá-lo”. Os estudantes reagiram e o chamaram de “vendido”. Motelo, no entanto, aproveitou a oportunidade para apontar dificuldades em sua aldeia, a Passarinho, onde mais de 1100 índios dividem um espaço de 119 hectares. Por conta da terra ser da União, o indígena disse que não consegue financiamento para aumentar a lavoura de limões e mandioca comercializados no Mercadão, em Campo Grande.

Movimento – O “Movimento Nacional de Retomada do Brasil” pretende oferecer ao homem do campo informações sobre como proceder em casos de invasão de propriedade, por exemplo.

“O objetivo desse encontro é fazer a união dos produtores rurais e, principalmente, começar a desmestificar o que a Funai construiu de que nós somos agrobandidos, matamos gente, roubamos índios, mostrar a cara do produtor rural de verdade”, ressalta Pedro Pedrossian.

Pequenos produtores protestam hoje por mudança nas demarcações de terras
O setor produtivo de Mato Grosso do Sul organiza na tarde de hoje (7) um protesto em Campo Grande contra as políticas de demarcações de terras indíge...
Produtores planejam “Dia do Basta” para protestar em luta por terras
Produtores rurais planejam para às 14h do dia 7 de fevereiro ato denominado de “Dia do Basta”, para protestar contra o impasse no campo por conta das...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions