A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

21/05/2011 12:07

Família do segurança Brunão faz nova manifestação no centro da Capital

Nadyenka Castro e Paula Vitorino

Parentes não querem que caso seja esquecido

Família de Brunão em manifestação na área central. (Foto: João Garrigó)Família de Brunão em manifestação na área central. (Foto: João Garrigó)

Dois meses após o segurança Jefferson Bruno Escobar, o Brunão, ter sido morto na casa noturna onde trabalhava, em Campo Grande, a família dele fez uma nova manifestação na manhã deste sábado.

Com faixas e distribuição de panfletos, pais e parentes de Brunão ocuparam o canteiro central da avenida Afonso Pena, no cruzamento com a rua 14 de Julho, para pedir à população que não esqueçam do caso e que ‘vigiem’ o autor do crime, o bacharel em Direito, Cristhiano Luna de Almeida.

Este é a terceira manifestação organizada pela família que afirma que Brunão foi assassinado por Cristhiano. “Estamos lutando para que seja mantido o homicídio doloso (com intenção de matar) porque foi realmente isso o que aconteceu”, diz o pai da vítima, o funcionário público João Márcio Escobar.

A intenção das manifestações é não deixar o crime cair no esquecimento e pedir à população acompanhar o andamento do processo e alertar sobre a violência em geral “A gente quer sensibilizar a população sobre a violência que está cada dia mais presente”, declara João.

“Muita gente não sabe o que foi feito no processo e que o Cristhiano está solto. Estamos aqui para alertar sobre o que está acontecendo e pedir às pessoas o denunciarem”, fala Rayane Vieira, 19 anos, prima do segurança, com o irmão mais novo dele no colo.

A mãe de Brunão, Edcelma Gomes Vieira, afirma que “vai lutar até o fim”. “Estão querendo mudar as coisas. Daqui a pouco meu filho é quem vai ser o assassino”.

O caso- Brunão foi morto quando retirava Cristhiano da casa noturna, após ele ter se envolvido em uma confusão com um garçom no local. A acusação afirma que o autor matou a vítima a soco.

Testemunhas de acusação disseram em juízo que o réu já havia se envolvido em confusão na casa, e em outros lugares, e que agrediu Brunão e o matou intencionalmente.

Ele foi preso horas depois do crime e indiciado por lesão corporal seguida de morte. A Polícia Civil ouviu mais testemunhas e analisou imagens do caso e mudou o indiciamento para homicídio doloso.

Cristhiano foi solto por determinação do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, mas, tem que cumprir algumas regras entre elas: não ingerir bebidas alcoólicas, não frequentar casas noturnas e clubes de luta e não chegar em casa após às 22 horas.

A Polícia não faz uma vigilância específica em Cristhiano e conta com ajuda da população para denunciar se houver infração às determinações.



Se para uma pessoa que não é da famíla, esse caso (e outros também) causam repugnância, revolta, lágrimas...imagina o sofrimento para os familiares e amigos dessas pessoas vitimadas por "filhinhos de papai" irresponsáveis e que ainda saem "numa boa"
"cumprindo penalidades" que é a maior palhaçada...vi a reportagem no MS TV (horário do almoço) e gostei quando vi um jovem com "nariz de palhaço"...nossa "meiga justiça" precisa ser mudada com urgência. Os bandidos estão fazendo a festa!!
 
Joanne Pereira em 21/05/2011 02:09:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions