ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  17    CAMPO GRANDE 35º

Capital

Hospital Universitário vai atender pacientes para desafogar Santa Casa

Unidade terá que receber cinco pacientes por dia de casos mais simples no setor de ortopedia

Por Yarima Mecchi | 17/01/2017 13:34
Superintendente da Ebserh também participou da reunião. (Foto: Yarima Mecchi)
Superintendente da Ebserh também participou da reunião. (Foto: Yarima Mecchi)

O HU (Hospital Universitário) se comprometeu a receber ao menos cinco pacientes por dia no setor de ortopedia, para desafogar a Santa Casa. O acordo foi feito na manhã desta terça-feira (17) e envolve casos de baixa e média complexidade. A unidade terá que receber cinco pacientes por dia da Santa Casa ou que iriam para o maior hospital do Estado.

Segundo o diretor técnico da Santa Casa, José Roberto de Souza, a unidade tem entre 30 e 40 pessoas na fila para a realização de cirurgia ortopédicas. "Dessa média, 50% estão aptos para serem transferidos para o HU. Não tem como mandar todo mundo hoje porque tem um limite de 5 por dia", ressaltou.

Os atendimento no HU começam nesta tarde e de acordo com a Santa Casa ainda não tem como saber se o ato vai resolver o problema de lotação. "Vai ajudar, como é um número dinâmico a gente não tem ainda uma noção se vai revolver o nosso problema".

O chefe da ortopedia do HU, Roberto Antoniolli, ressaltou que a unidade vai atender os casos mais graves e disse que a intenção é aumentar o número de atendimentos. "A princípio 5, podendo aumentar essa demanda. São pacientes que não usam muitos materiais complexos. Os hospitais têm dificuldade de comprar material", afirmou.

No inicio a unidade vai receber os pacientes da Santa Casa que estão na fila de espera, mas a regulação será feita por parte da Prefeitura de Campo Grande. "Estávamos tentando entrar no acordo com a Santa Casa para a base ser eles e assim vamos desafogar. A Prefeitura vai determinar onde vai mandar os pacientes".

Reunião foi realizada hoje entre Sesau, HU e Santa Casa. (Foto: Yarima Mecchi)
Reunião foi realizada hoje entre Sesau, HU e Santa Casa. (Foto: Yarima Mecchi)

Contrato - De acordo com a superintendente da Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares), empresa que administra o HU, em Mato Grosso do Sul, Andréia Antoniolli, disse que no primeiro momento não será feito um aditivo no contrato com a Prefeitura de Campo Grande.

"Nós ficamos 10 anos com o contrato defasado e ano passado conseguimos aumentar de R$ 1,8 milhão para R$ 3,6 milhões. Se a gente for implantar o TOM (Trauma Ortopédico de Média Complexidade), aí a gente vai sentar para negociar um aditivo no contrato", declarou.

Prefeitura - O chefe da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), Marcelo Vilela, disse que a reunião serviu para que ambas unidades trabalhem juntas. "Estamos batendo na tecla de quando a gente organiza, o serviço começa a funcionar harmonicamente".

O secretário disse ainda que o Executivo Municipal está melhorando a regulação e pretende trabalhar em conjunto com a equipe do Estado. "Nisso vamos identificar as deficiências de leitos e de vagas. Além de organizar o fluxo de pacientes", afirmou.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário