A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

11/04/2011 15:43

Mãe de acadêmica da UFMS denunciou falta de segurança na Ouvidoria da universidade na quinta-feira

Paula Maciulevicius

Segundo a aposentada, semana passada outra acadêmica foi abordada, mas conseguiu fugir e alertou colegas

Mãe de acadêmica que já denunciou falta de segurança a Ouvidoria da Universidade conta estar chocada com o que aconteceu e afirma que poderia ter sido evitado. Mãe de acadêmica que já denunciou falta de segurança a Ouvidoria da Universidade conta estar chocada com o que aconteceu e afirma que poderia ter sido evitado.

O caso da acadêmica do quarto ano de química da UFMS trouxe à tona um antigo e grave problema da Universidade, a falta de segurança. Na semana passada, uma acadêmica passou em salas alertando colegas sobre o perigo que estava a região. Ela foi abordada por um homem, mas conseguiu fugir. Diante disso, a aposentada Marli Marques, mãe de outra acadêmica foi a Ouvidoria da Universidade mais uma vez.

Ela conta que desde que a filha começou a estudar no ano passado, ela vem observado a vulnerabilidade em que os alunos se encontram. A falta de segurança preocupa a família. Segundo a mãe, ela fazia o mesmo caminho que a filha e constatou que o local não apresentava segurança nenhuma.

“Os alunos estão vulneráveis dentro da própria Universidade. Fui a Ouvidoria ano passado e fiz uma baita reclamação do que eu vi. O professor que me atendeu passou o número de celular dele e dos seguranças. Agora como é que uma pessoa dominada por um marginal vai conseguir ligar para o segurança?” questiona.

A mãe conta estar chocada com o que aconteceu. De acordo com a aposentada, ela tinha certeza de que isso ia acabar acontecendo pelo descaso com que a Universidade vinha tratando o assunto.

Na quinta-feira (7) passada, quando uma acadêmica entrou nas salas falando dos cuidados que os alunos precisavam ter, Marli foi novamente a Ouvidoria.

“Eu disse, se vocês não tomarem providência, eu vou procurar a imprensa. Infelizmente não foi preciso, porque aconteceu isso antes”, relata.

Conforme a mãe, ela não consegue abrir a reclamação que protocolou na Ouvidoria com o número de protocolo. Assim, a aposentada não viu ainda a resposta, se foi dada, pela Universidade. Hoje, desde o ocorrido que a mãe tenta falar com o professor da Ouvidoria, que não atendeu nenhuma das ligações.

“A Universidade é para os alunos. Estou muito preocupada, eu sou mãe, são nossos filhos que estão lá. Estamos sofrendo por essa jovem e por todos que ali estão”, conta.

A mãe ainda conta que andou por toda Universidade e que encontra um segurança lá em cima e outro embaixo.

“As pontes são realmente sem cobertura. Os locais não têm segurança nenhuma. De que adianta deixar um segurança lá e um cá? Ele vai conseguir ver e fazer alguma coisa?” fala.

Para a aposentada, o ocorrido de hoje poderia ter sido evitado.

“No serviço público as pessoas tem que ser mais comprometidas. Os valores estão extremamente mudados. Nós estamos pedindo socorro porque todos estão correndo risco, homens e mulheres”, finaliza.

Caso - A acadêmica de química foi violentada por volta das 8 horas desta manhã em um matagal próximo a ponte que liga a o teatro Glauce Rocha ao bloco dos cursos de Química e Economia e Administração. Uma testemunha viu o momento que jovem foi socorrida. Ele estava chegando ao laboratório de Psicologia, que fica na saída da ponte para deixar sua namorada, quando viu uma menina que aparentava ter menos de 20 anos, totalmente nua, sendo amparada por duas mulheres e um senhor, que retirou a camiseta para cobrir a menina.

De acordo com a testemunha, a jovem chorava e relatou que foi estuprada por um homem com uma faca, que a levou para um matagal próximo da ponte da UFMS. O estuprador vestia uma bermuda e camiseta azul e tinha tatuagens nos braços e nas pernas.

Após estupro, estudantes organizam protestos para cobrar mais segurança na UFMS
O DCE (Diretório Central dos Estudantes) e os Cas (Centros Acadêmicos) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul convocaram os acadêmicos da UFMS...
Último mutirão da Funtrab na Capital em 2017 será realizado na sexta-feira
  Será realizada na sexta-feira (15), das 8h às 17h, a última ação de atendimento emergencial ao trabalhador da Funtrab (Fundação do Trabalho de Mato...


Desde 93 quando eu estudava na UFMS, já morríamos de medo e nunca andávamos sozinhas por lá, pela falta de segurança.Isso não vai mudar nunca? E agora,com nossos filhos? Vamos ter que escoltá-los todos os dia?
 
darci maria em 12/04/2011 11:52:56
Tenho filhos estudando na federal, nao tem segurança nenhuma, inclusive no estacionamento do morenao nao tem iluminação nenhuma, virou um local para namorar.Onibus so por Jesus cristo mesmo. Ate quando?
 
maria aparecida em 12/04/2011 09:21:08
Atenção responsáveis pela segurança publica de Campo Grande, será que vai precisar morrer alguém para se tomar alguma providencia? Será que é só um estuprador?E os casos que ocorreram no bairro nova lima essa semana? quantos mais terão que sofrer? Na hora de fazer campanha politica tem policiais até onde não deve e agora cadê a segurança? alguém viu? pode me dizer onde por favor?
 
Maria Ramona em 12/04/2011 07:32:35
Lamentável o que aconteceu com essa moça,nós mulheres com certeza nos colocamos no lugar da vitima nesses casos.Será que a prefeitura de Campo Grande não teria que juntamente com a universidade tomar providencias rápidas?Não seria o caso de colocar essa GUARDA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE para ajudar na segurança desses alunos?Ea PM onde está nessas horas,de nada adianta colocar 3 ou 4,soldados juntos em cada trecho do centro da cidade,quando áreas precárias como estas necessitam de segurança...
 
Kelly Cristina em 11/04/2011 10:14:38
Como jornalista e ex-estudante da UFMS, estou extremamente envergonhada e indignada com mais uma notícia de violência dentro do Campus. Só nos resta perguntar à administração da UFMS: ATÉ QUANDO?
 
Auxiliadora do Carmo Sales Oliveira em 11/04/2011 08:05:55
Um crime bárbaro, em plena luz do dia. A UFMS concorre na culpa por este crime vez que foi negligente com a segurança em um ponto que é de notório conhecimento que é perigoso! Espero justiça!
 
Thais Araújo em 11/04/2011 06:59:00
Sou acadêmica do turno noturno da UFMS, e além de poucos seguranças, a iluminação é extremamente precária. E para piorar a situação, a linha do ônibus 070 que passava em frente da Universidade, agora vira no Atacadão. Vários acadêmicos(as) devido o atraso nos ônibus acabam descendo neste ponto, percorrendo assim um trajeto longo e pouco iluminado.Já foi feita uma abaixo - assinado com 2.500 assinaturas e nada. É lastimável o que aconteceu! ... todos os dias ao fazer o percurso do ponto do Atacadão eu imaginava que algo neste sentido poderia acontecer...Precisa melhorar a iluminação e principalmente a segurança.
 
Marleize da Silva Ferreira em 11/04/2011 05:31:25
Não é de hoje que a segurança da UFMS é pífia. Furtaram o som do meu carro uma vez e o carro inteiro numa segunda ocasião, isso lá por 2005 e 2006.
Da segunda vez, quando roubaram o carro inteiro, foi na cara do vigia, que disse que não viu nada.
Conheço gente que foi SEQUESTRADA dentro da UFMS e ninguém fez nada. Nem durante o sequestro e nem depois.
Todas as ações tomadas pra melhorar a segurança no campus são ridículas. Aquela grade azul inútil por exemplo é um bom exemplo de como se gasta dinheiro atoa na UFMS.
 
Julio Nogueira em 11/04/2011 05:23:23
... " a reitoria da UFMS proibiu a circulação de viaturas da PM na área pertencente a UFMS"

Incrível.... como a reitoria dessa universidade é irresponsável.
Além de permitir o estupro de alunas essa atual direção está é estuprando nossa paciência com tais descasos....
 
Orlando Lero em 11/04/2011 05:17:45

Falta de profissionais para garantir a segurança de jovens que são o futuro do país???/
Penso que não... é falta de vontade politica. Analisamos a festa de carnaval, quantos
policiais e viaturas são disponibilizados para garantir os excessos de bebidas, brigas e
confusões afins. Enquanto não acontecer com filhos(as) dos politicos e responsáveis por
garantir a segurança destes jovens, enquanto não doer e sentirem na pele a dor , tanto
física quanto psicológica, a saída é pedir proteção a DEUS.
 
Edith Torres em 11/04/2011 05:06:48
Novamente problemas na UFMS, tsc, tsc...
Em entrevista feita por colegas minhas com um segurança de lá (de uma empresa tercerizada) no ano passado, foi declarado que o trabalho deles era apenas o de proteger o patrimônio da universidade. Mas peraí... e o patrimônio de carne e osso?

E os assaltos?
E a falta de iluminação em alguns pontos do campus?
 
Cassia Modena em 11/04/2011 05:04:45
A leitora Marcilene fez uma critica sobre a falta de policiamento da PM na UFMS. É bom esclarecer que a área da UFMS é federal e a PM possui dificuldades em efetuar policiamento no campus, inclusive em gestões anteriores a reitoria da UFMS proibiu a circulação de viaturas da PM na área pertencente a UFMS. Portanto, é bom, antes de criticar, saber do que está falando.
 
nelson silva em 11/04/2011 04:53:47
Só a título de informação aos leitores, em especial a Marcilene.
Pelo que sei segurança no Campus Universitário é responsabilidade federal, inclusive contam com policiamento próprio. A PM, por força de lei da instituição só poderá agir ali se for solicitado. Se bem que não importa de quem é a culpa pela falta de segurança, seja federal ou estadual, o que temos que fazer é cuidar da segurança dos acadêmicos e encontrar e punir exemplarmente o criminoso para que fatos dessa natureza não mais ali ocorram.
 
Carlos Silva Oliveira em 11/04/2011 04:42:48
é um absurdo isso! a gente que estuda lá, pode afirmar que são poucas as vezes que se vê um segurança por lá, eles ficam de prontidão onde está cheio de alunos, que não resolve nada, agora naquela ponte deserta ninguem fica!

o meu bloco é menos perigoso por ser fechado, mas se está assim as 8h imagina como não fica às 22h quando o pessoal da grade noturna sai, aquilo é um ermo de mundo!

A UFMS precisa de reforços na segurança urgente! quantas meninas mais serão violentadas, ou vão esperar que alguem seja morto la dentro até a reitoria tomar uma providencia??
 
claudia barros em 11/04/2011 04:41:43
Eu sou estudante da UFMS e fiquei muito indignada com o caso do estupro da menina que ocorreu nessa manhã, assim como todos os estudantes e funcionários da UFMS, porém nossa reitoria parece não se importar com nossa faculdade, eu me sinto humilhada por ter estudado tanto pra entrar numa federal e me deparar com tantos problemas como infraestrutura, SEGURANÇA, falta de professores. Por isso eu adoraria ver essa matéria da UFMS no jornal nacional, pois nossa federal é motivo de vergonha e deve ser denunciada em rede nacional, assim como as crianças do Realengo iam ao colégio achando q estavam seguras nós da federal também esperamos segurança, coisa que não existe na nossa federal
 
Renata Muniz de Oliveira em 11/04/2011 04:35:00
Acho um absurdo a falta de policiamento num local tão perigoso, para que tanto PM se não estão na hora que mais precisa. Outra coisa sabendo que o local é inseguro para transitar porém é unico acesso para ir na Universidade, então prq não tomaram as providencias antes, tem que aconter um fato maldoso como esse para tomar as providencias.
 
Marcilene Rodrigues Martinez em 11/04/2011 04:10:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions