A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

23/08/2011 17:24

OAB pede mudanças em sala onde advogados se reúnem com clientes na Gameleira

Marta Ferreira
Comissão da OAB diz que advogados precisam gritar para serem ouvidos por clientes, já que o parlatório tem vidros sem furos. (Foto: Simão Nogueira)Comissão da OAB diz que advogados precisam gritar para serem ouvidos por clientes, já que o parlatório tem vidros sem furos. (Foto: Simão Nogueira)

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) divulgou hoje que vai encaminhar ofício à Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública) que sejam feitas, no prazo de 30 dias, mudanças na sala onde advogados se reúnem com os clientes no Centro Penal Agroindustrial da Gameleira, em Campo Grande, onde cumprem pena presos do regime semiaberto. O local foi considerado inadequado pela Comissão de Advogados Criminalistas da Ordem, após uma vistoria no local.

A OAB havia divulgado apenas que o local era inadequado e não permitia privacidade entre advogados e clientes. Hoje, foram divulgados detalhes da vistoria no presídio, a primeira de uma série a serem realizadas.

Conforme o documento sobre a vistia, a sala do advogado possui três boxes individuais, com ventilação, iluminação e bancadas condizentes. O problema é que o espaço não oferece cadeiras ao advogado nem ao cliente, fato que dificulta a escrita quando necessária, já que as bancadas possuem aproximadamente um metro de altura.

O local, segundo a Comissão, apresenta também condições inadequadas para conversas sigilosas, pois os vidros instalados não possuem orifícios e na área não há interfones, impedindo a propagação do som. A avaliação é de que isso resulta em conversas com tom elevado, comprometendo a privacidade das informações, notadamente quando há mais de um advogado conversando com cliente.

Além disso, Comissão constatou que o parlatório é utilizado como depósito de materiais estranhos à sua destinação, como capacetes, televisão e demais objetos.

O presidente da Comissão, Luiz Carlos Saldanha Rodrigues Junior, informou que é necessário adequações urgentes nas instalações. “A situação deve ser resolvida para que seja possível o advogado desempenhar suas atividades e exercer suas prerrogativas, em conformidade com os preceitos legais.”

Na semana passada, a reportagem do Campo Grande News visitou o presídio e a direção do estabelecimento afirmou que a estrutura é suficiente.

OAB vistoria presídio da Gameleira e diz que falta privacidade para advogados
Inaugurado há pouco mais de um ano, o Centro Penal Agroindustrial da Gameleira, onde cumprem pena detentos do regime semiaberto em Campo Grande, rece...
Sesau e SES recolhem quase 10 toneladas de lixo no Jardim Noroeste
A ação de recolhimento de lixo realizada em casas e terrenos baldios no Jardim Noroeste - bairro localizado na regiões leste de Campo Grande - somou ...
Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...


Quem quer privacidade e sigilo, é só não ir para a cadeia, lá não é propriedade privada e nem a casa da OAB. Nem na rua os cidadãos de bem tem privacidade ou sigilo . . . quem quer isso tem que ficar em casa, não sair nas ruas praticando crimes.
 
jose antonio em 24/08/2011 10:22:40
Depois reclamam que a OAb só vê o direito de bandido, será que não existe mais nenhum lugar com irregularidades para eles pedirem melhoras.
 
Altemar Miranda em 24/08/2011 09:10:46
aquelas cadeiras da foto é o que, ah entendi de certo eles querem mais privacidade para que nem aquela advogada que foi flagrada o detento bulinando ela entendi...
 
jorge luiz em 23/08/2011 07:22:45
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions