ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 17º

Capital

Para Gaeco, patrimônio de policial preso por tráfico é incompatível com salário

Em 2022, Anderson César dos Santos foi alvo de denúncia por ter vida "luxuosa" e passou a ser investigado

Por Ana Paula Chuva | 13/04/2024 18:10
Policial civil, Anderson em fotos publicadas nas redes sociais (Foto: Reprodução)
Policial civil, Anderson em fotos publicadas nas redes sociais (Foto: Reprodução)

Para o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), o patrimônio do policial civil Anderson César dos Santos, 47 anos, é incompatível com o salário que ele recebe como servidor público. O investigador foi preso na operação Snow, em março deste ano, acusado de integrar organização criminosa que atua no tráfico interestadual de drogas.

De acordo com o levantamento do Gaeco, até abril do ano passado Anderson tinha salário oficial de R$ 9 mil – renda líquida – no entanto, mora em uma casa de alto padrão “ampla e luxuosa” no Bairro Bosque de Ponta Porã, na cidade de Ponta Porã, a 313 quilômetros de Campo Grande, avaliada até abril do ano passado em R$ 2 milhões.

A investigação mostrou ainda que o investigador tem em seu nome uma caminhonete Amarok, para uso diário, avaliada em R$ 160 mil, enquanto sua esposa – professora convocada na Rede Estadual de Ensino – tem um Jeep Compass no valor de R$ 246 mil. Na época, o salário da mulher era de R$ 2,3 mil. Este ano, a última remuneração informada foi de R$ 4.312,53.

Em nome da filha do casal, também professora na Rede Estadual de Ensino, foi encontrado um veículo Gol ano 2013, avaliado em R$ 25 mil (tabela FIPE) e um Toyota Corolla no valor de R$ 83 mil.

Anderson foi alvo de denúncia anônima a Policia Federal de Ponta Porã, no final de 2022. Na época, um levantamento prévio constatou a incompatibilidade entre a renda e o patrimônio ostentado pela família. O caso então foi encaminhado para o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) e o servidor passou a ser investigado.

Hugo e Anderson juntos em foto publicada nas redes sociais (Foto: reprodução)
Hugo e Anderson juntos em foto publicada nas redes sociais (Foto: reprodução)

A investigação também apontou que o envolvimento do investigador Hugo Cesar Benites com o narcotráfico não era “nenhuma novidade”, já que o policial havia sido alvo de investigação do Gaeco alguns anos antes, em Dourados, e responde a ação penal na comarca de Fátima do Sul por ser informante de organização criminosa e enriquecimento ilícito.

Os dois policiais foram filmados em maio de 2023, descarregando caixas com cocaína de viatura oficial da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul. A droga foi deixada em uma casa alugada no Jardim do Pênfigo em Campo Grande, aos cuidados do traficante Valdemar Kerkhof Junior, fuzilado junto com o irmão em junho do mesmo ano.

Investigadores com viatura carregada de cocaína em maio do ano passado (Foto: reprodução)
Investigadores com viatura carregada de cocaína em maio do ano passado (Foto: reprodução)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias