ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 38º

Capital

Polícia caça condenados por abuso de crianças e prende homens de 28 a 83 anos

Mandados de prisão preventiva e de sentença condenatória são cumpridos em todo Mato Grosso do Sul

Por Geisy Garnes e Bruna Marques | 16/07/2021 07:17
Um dos presos levado para a DEPCA nesta manhã (Foto: Henrique Kawaminami)
Um dos presos levado para a DEPCA nesta manhã (Foto: Henrique Kawaminami)

Policiais civis estão na rua para cumprir 23 mandados de prisão contra suspeitos de crimes sexuais em Campo Grande. As ações da manhã desta sexta-feira (16) acontecem em nova fase da Operação Acalento, que no mês passado levou condenados por crimes de violência contra crianças e adolescentes para prisão.

De acordo com a delegada Franciele Candotti, da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), as ações desta manhã são continuidade a operação realizada no dia 4 de junho em todo território brasileiro. Desde então, 40 mandados de prisão foram cumpridos na Capital, entre eles do casal denunciado por estuprar a filha de 7 anos e gravar o crime. Eles estavam foragidos desde o início do ano passado.

Mandados de prisão preventiva e de sentença condenatória são cumpridos em todo Mato Grosso do Sul. Só em Campo Grande são 23 mandados. Segundo a delegada, os presos são todos homens, com idades de 28 a 83 anos, moradores de diversos bairros da Capital.

Os presos são levados para a DEPCA. Um deles é um idoso de 83 anos, com deficiência e vários problemas de saúde.

Policiais do Garras (Delegacia Especializada Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos), DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios) e Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico), participam da operação.

A operação é liderada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e acontece em 1.047 municípios de todo o Brasil. Ao todo são 374 mandados de prisão.



Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário