A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

12/05/2014 15:30

Prefeitura manda substituir grevistas em 24h e ameaça romper contratos

Edivaldo Bitencourt
Prefeitura manda reabrir Ceinf sob risco de romper contrato (Foto: Marcos Ermínio)Prefeitura manda reabrir Ceinf sob risco de romper contrato (Foto: Marcos Ermínio)

A Prefeitura de Campo Grande notificou, na tarde de hoje, e deu prazo de 24 horas para as duas entidades substituírem todos os grevistas e reabrirem, até amanhã, as 36 creches fechadas em decorrência da paralisação. Nesta segunda-feira, em assembleia geral, os trabalhadores rejeitaram a proposta do município e mantiveram a greve.

Como a paralisação causou a suspensão do atendimento em 36 Ceinfs (Centros de Educação Infantil), o procurador geral do Município, Fábio Castro Leandro, notificou extrajudicialmente a OMEP (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar) e a S::S::C::H (Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária).

Elas devem, sob risco de serem responsabilizadas na Justiça, para “no prazo improrrogável de 24 horas, designar trabalhadores essas unidades (em greve)”. O prefeito Gilmar Olarte (PP) poderá romper os convênios 367 e 368, firmados com as entidades em 27 de dezembro do ano passado, por quebra de contrato, já que houve “inexecução dos serviços”.

A greve nos Ceinfs começou nesta segunda-feira. Segundo a Semed (Secretaria Municipal de Educação), 40% das 96 creches estão com as atividades suspensas por causa da paralisação. O Senalba (Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional no Estado de Mato Grosso do Sul) estima que 80% das unidades estão paradas na Capital.

O prefeito propôs reajuste de 8%, redução da jornada diária de 8 para 7 horas e a manutenção da licença maternidade de seis meses. Os trabalhadores querem reajuste de 20%, jornada de seis horas e manutenção da licença maternidade de seis meses.

Além de notificar as entidades, a Prefeitura estuda antecipar a contratação dos aprovados no concurso público para substituir os terceirizados. Atualmente, segundo o sindicato, dos 2,5 mil funcionários, 1,9 mil são terceirizados.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions