A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

01/02/2011 23:35

Promotores de eventos criam associação para defender interesses coletivos

Jorge Almoas

Um dos focos é a aprovação da Lei de Uso do Solo, em março, pela Câmara Municipal

Cerca de 150 pessoas – entre promotores, produtores e proprietários de bares e casas noturnas de Campo Grande – decidiram nesta terça-feira criar uma associação para defender os interesses do setor. O último golpe contra os profissionais que realizam shows e eventos culturais foi a proibição pela justiça da realização de eventos no Parque de Exposições Laucídio Coelho.

De acordo com o proprietário de casa noturna Cegonha, a Apems (Associação dos Produtores e Promotores de Eventos de Mato Grosso do Sul) deve ser oficializada nos próximos dias, com a criação de número de registro.

“Decidimos criar a associação para que, ao invés de lutar separado, podemos brigar juntos por aquilo que nos interessa. Acreditamos que vamos ter mais forças através da associação”, opinou Cegonha.

Um dos focos da criação da associação está na votação, em março próximo, da Lei de Uso do Solo, pela Câmara Municipal de Campo Grande.

“Com a aprovação da lei, vamos saber onde é possível realizar eventos, abrir estabelecimentos e instalar casas noturnas. Vamos ter certeza de onde é possível iniciar um negócio, dentro da legislação”, disse Cegonha.

Segundo ele, a Avenida Afonso Pena, citado em leis anteriores como área residencial, perdeu esse caráter. “A Afonso Pena já é um corredor central, não é residencial, em sua maioria”, pontua o promotor de eventos.

A Apems já conta com assessoria jurídica e contábil. Os escolhidos para presidente e vice foram Carlos Roledo e Gustavo Corrêa (o Guga).

Em janeiro, a justiça aprovou agravo apresentado pelo Ministério Público Estadual, por meio do promotor Alexandre Raslan, e proibiu a realização de shows e eventos culturais no Parque de Exposições Laucídio Coelho. De acordo com o promotor, o local não possui licenciamento ambiental e o som dos eventos ultrapassa o permitido na legislação.

Os produtores de eventos vão entrar com recursos para reverter a decisão judicial.



Proibição pela justiça da realização de eventos no Parque de Exposições Laucídio Coelho.
Foi uma vitoria do povo, nestes shows não a respeito á lei do silencio, temos que ainda conviver com os vandalismo,roubo,brigas,sujeira...
Parabens ao promotor Alexandre Raslan, que proibiu a realização de shows e eventos culturais no Parque de Exposições Laucídio Coelho, espero que se torne esta lei em todos os shows proximo de residencias PARABENS A JUSTIÇA.
 
Henry Reic em 02/02/2011 09:17:44
Olha, parabéns pela iniciativa da legalização dos direitos. Espero que essa associação venha realmente mostrar aos interessados as maneiras corretas e legais de se trabalhar na área. A profissionalização do setor tbém deve ser pauta da associação. Sou formado e pós-graduado na área. Sou funcionário efetivo na Fundação de Cultura do Estado e aqui aprendo cada vez mais a forma de agir perante a lei. O próprio ministério da cultura nos dá diretrizes, vocês devem acompanhá-las... Devemos usar as leis federais! Só que a associação não deve prezar somente os lucros dos senhores ligados a ela, mas a difusão da cultura, a profissionalização do setor e o bem estar da população, dentro da legalidade é óbvil.
 
caciano lima em 02/02/2011 09:12:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions