ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  10    CAMPO GRANDE 13º

Capital

Que horas são? Relógio da 14 de Julho sofre pane nesta manhã

Equipes da prefeitura estão avaliando situação, mas ainda não se sabe causa do problema

Por Adriel Mattos | 05/07/2022 10:22
Monumento não está funcionando desde as primeiras horas da manhã. (Foto: Henrique Kawaminami)
Monumento não está funcionando desde as primeiras horas da manhã. (Foto: Henrique Kawaminami)

O relógio da Rua 14 de Julho, região central de Campo Grande, apresentou uma falha na manhã desta terça-feira (5). O monumento, que é conectado à internet, não está exibindo o horário.

Quem passa pela região vê apenas algo como um site aberto em um navegador. Ao Campo Grande News, o diretor-presidente da Agetec (Agência Municipal de Tecnologia da Informação e Inovação), Paulo Cardoso, informou que equipes estão averiguando o problema.

“Não tenho ainda como dizer o que aconteceu. Um computador mantém esse relógio e toda a 14 tem armários que mantém a rede do Conecta Campo Grande. Pode ser queda de energia ou rompimento de cabo, mas nossas equipes estão verificando”, informou.

Histórico – O relógio foi instalado em 2019, durante a primeira fase do Reviva Campo Grande, que revitalizou a principal via comercial da Capital. Em 1933, um outro relógio foi erguido no mesmo local.

Na década de 1970, o monumento foi demolido. Anos mais tarde, nas comemorações do centenário de emancipação político-administrativa de Campo Grande, uma réplica foi colocada na Avenida Calógeras.

O projeto do novo relógio é dos arquitetos e urbanistas César da Silva Fernandes, o Caju, e Inácio Salvador, da CIA (Conceitos Inteligentes em Arquitetura), responsável pelo projeto de requalificação da Rua 14 de Julho.

“Quando estávamos projetando a nova 14 de julho, com as mudanças estruturais no sistema viário, pensamos na possibilidade de marcar o local de onde o relógio nunca deveria ter saído. Mas não se justificaria propor uma nova réplica, visto que o mesmo já se encontrava reconstruído a uma quadra dali. Foi então que nos veio a ideia de projetar esta escultura, reproduzida em tamanho real, evidentemente sem o maquinário, e o mostrador propriamente dito”, contou Caju na ocasião da instalação do monumento.

A equipe ainda teve uma surpresa quando iniciou os trabalhos, ao encontrar as fundações do primeiro relógio. “Estas fundações foram utilizadas para a sustentação desta nova estrutura, criando um vínculo definitivo com o passado e com a história de nossa cidade”, finaliza o arquiteto e urbanista.

Nos siga no Google Notícias