A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

19/09/2013 09:44

Rede feminina troca de comando seis meses após Operação Sangue Frio

Aline dos Santos
Hospital do Câncer foi alvo de operação da PF. (Foto: Marcos Ermínio)Hospital do Câncer foi alvo de operação da PF. (Foto: Marcos Ermínio)

Seis meses depois de o Hospital do Câncer Alfredo Abrão sofrer mudanças radicais com as denúncias da operação Sangue Frio, outro setor da Fundação Carmem Prudente será renovado. Nesta quinta-feira, às 19h30, na Assembleia Legislativa, toma posse a nova presidente da Rede Feminina de Combate a Câncer de Campo Grande.

Pelos próximos dois anos, a rede de voluntariado será comandada pela empresária Cleuza Vasconcellos. “Aconteceu tudo de uma vez, precisa reciclar as pessoas, trocar para ter ideias novas”, afirma, sobre a onda de mudanças nos dois segmentos da fundação, o hospital e a rede.

De acordo com ela, pela primeira vez a escolha foi por voto direto dos voluntários. A chapa foi única, mas poderia não assumir caso todos os votos fossem em branco. A rede foi fundada em 1956 e a primeira presidente foi Benedita Figueiró, mãe do senador Rubens Figueiró.

Os 47 voluntários atuam tanto dentro do hospital, como nas casas de apoio, que recebem pacientes que precisam de tratamento e não têm onde ficar em Campo Grande. Há unidades masculina e feminina. No Hospital do Câncer, a equipe faz o acolhimento dos pacientes e distribui, diariamente, chá, pão e manteiga para 200 pessoas.

Conforme Cleuza Vasconcellos, os recursos vêm de doações, bingos, churrascos e barracas de alimentos montadas em festas. Pelo estatuto, a eleição deveria ser realizada em novembro, mas o processo foi antecipado para junho após o falecimento penúltima presidente.

Cleuza trabalha desde 2005 na rede de voluntários. A decisão de ajudar as pessoas que enfrentam o câncer foi tomada após duas perdas familiares. “Meu pai e meu irmão faleceram de câncer”. A posse terá a presença da presidente nacional da Rede Feminina, Aglaê Nazário de Oliveira, e homenagem a ex-primeira-dama Maria Aparecida Pedrossian, que doou imóvel, próximo ao hospital, para funcionamento da casa de apoio.

Sangue Frio – Desencadeada em 19 de março de 2013, a operação da PF (Polícia Federal) revelou as suspeitas da existência da Máfia do Câncer, grupo acusado de desmontar a rede de atendimento oncológico na saúde pública em privilégio do setor privado.

No dia, os policiais fizeram apreensões no Hospital do Câncer, Hospital Universitário de Campo Grande, clínica NeoRad e na residência do médico Adalberto Abrão Siufi. Até então, ele era diretor do Hospital do Câncer e um dos sócios da clínica. O médico chegou a ser preso por porte de arma, mas foi solto após pagar fiança.

No HU de Campo Grande, a Sangue Frio também resultou na troca de comando. Primeiro afastado judicialmente, o diretor José Carlos Dorsa Vieira Pontes pediu para sair. Auditoria realizada pela CGU (Controladoria-Geral da União) em 2012 verificou prejuízo de R$ 973 mil aos cofres públicos. O valor foi obtido após levantamento em contratos do Hospital Universitário que somam R$ 11 milhões.

A análise trouxe à tona uma série de irregularidade: direcionamento de licitação, montagem de processos licitatórios, subcontratação de serviços para empresas ligadas a dirigentes do hospital, superfaturamento e emissão de empenho anterior à adesão em ata de registro de preços.

Agora, a CGU calcula que serão necessários mais 60 dias para conclusão do relatório. Cabe ao órgão verificar se houve desvio de dinheiro público e dimensionar o tamanho do prejuízo.

CGU calcula em 60 dias prazo para concluir relatório da operação Sangue Frio
A CGU (Controladoria-Geral da União) deve levar, ao menos, mais 60 dias para concluir o relatório final sobre a operação Sangue Frio, realizada em 19...
Processo contra médicos envolvidos com máfia do câncer pode durar seis meses
Os processos no CRM/MS (Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul) contra os médicos envolvidos na Máfia do Câncer, descoberta pela operaçã...
Gravações da operação "Sangue Frio" vão embasar acareação na CPI da Saúde
A CPI da Saúde instalada na Câmara Municipal de Campo Grande deve pegar ainda hoje as gravações referentes à operação “Sangue Frio”, realizada pela P...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions