ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Sem dinheiro, Santa Casa pede devolução de multas para projeto contra incêndio

Hospital, maior do Estado, teve negada solicitação para receber de volta R$ 66,4 mil pagos aos bombeiros

Lucia Morel | 31/08/2022 16:43
Fachada do prédio da Santa Casa em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)
Fachada do prédio da Santa Casa em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)

Sem projeto de prevenção a incêndio e pânico aprovado pelo Corpo de Bombeiros pelo menos desde 2013, a Santa Casa de Campo Grande, pediu à corporação, via Ministério Público de Mato Grosso do Sul, a reversão de multas pagas pelo hospital para realizar parte das obras necessárias. O pedido foi negado diante da falta de previsão legal da medida.

Inquérito que acompanha a situação, da 76ª Promotoria de Justiça, instaurado no final de 2017, realiza desde então diversas reuniões para que haja uma solução sem que seja necessário cobrar a implementação das proteções contra fogo através de ação judicial.

Uma saída identificada e solicitada pela Santa Casa foi reverter os valores pagos em multas por descumprimento do PSCIP (Projeto de Segurança Contra Incêndio e Pânico) para colocar em prática o plano, mas resposta dos bombeiros, de 9 de agosto deste ano, põe por terra a tentativa.

“Em homenagem ao princípio da legalidade, ao qual a Administração do CBMMS deve integral obediência, não há previsão legal para que se possa destinar estas receitas a outros investimentos fora da Instituição Bombeiro Militar”, diz o ofício encaminhado à promotoria.

A corporação ainda pondera que, mesmo que houvesse previsão legal, “haveria supressão de fonte relevante de recurso à operacionalização do CBMMS, com reflexos diretos ao atendimento prestado à população sul-mato-grossense”.

No pedido de junho deste ano, o setor jurídico da Santa Casa alegou que o hospital tem dificuldades financeiras para cumprir o plano de combate a incêndio e pânico para conseguir licença, ainda que provisória, dos bombeiros e que as multas, se devolvidas ao hospital poderiam ser “revertidas em benfeitorias em prol da sociedade e a Santa Casa se trata do principal hospital que atende o SUS no Estado”.

O dinheiro seria usado para compra de materiais preventivos de combate a incêndio, já que não cobre nem 1% do total necessário para as obras. O recurso pago em multas foi de R$ 64.399,11 o que representa apenas 0,9% dos R$ 6.915.013,46 que a Santa Casa precisa para implementar o PSCIP.

Ao longo dos anos, a Santa Casa implementou diversas adaptações para atender o projeto, investindo cerca de R$ 400 mil, segundo informado ao MP. A promotora Daniela Guiotti sustentou ao longo do inquérito que “houve avanços nas medidas adotadas pela Santa Casa (…). No entanto, como é sabido por todos, a Santa Casa sofre com a falta de recursos e constantemente trabalha para atender aos setores e serviços prioritários”.

Entretanto, a promotora avalia que “a segurança do prédio também é medida urgente e necessária”, reiterando que, “assim, a participação dos gestores públicos nesse processo é essencial para que a Santa Casa obtenha inicialmente a licença provisória e, posteriormente, o certificado do Corpo de Bombeiros, a fim de que seja conferida segurança aos usuários do hospital, aos profissionais e a toda a sociedade”.

Em resposta, a assessoria de imprensa da Santa Casa informou que não deve se manifestar hoje sobre a situação, mas que posicionamento deve ser encaminhado amanhã.

Nos siga no Google Notícias