A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018

28/12/2017 14:38

STF suspende decreto do governo sobre manifestação no Parque dos Poderes

Regras foram publicadas em agosto e já sofreram mudanças no mesmo dia após polêmicas

Aline dos Santos
Regras para o Parque dos Poderes foram publicadas em 30 de agosto. (Foto: Alan Nantes/Arquivo)Regras para o Parque dos Poderes foram publicadas em 30 de agosto. (Foto: Alan Nantes/Arquivo)

O STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu parte do decreto estadual sobre manifestações no Parque dos Poderes. Com a decisão do ministro Dias Toffoli, foram liberados a utilização de veículos de som, autofalante, apitos e afixar cartazes, além de suspender o artigo que previa sanção disciplinar específica para servidores.

Publicado em 30 de agosto, o decreto 14.287 logo provocou polêmica por proibir concentração de pessoas sem prévia autorização da secretaria estadual de Governo. O artigo foi retirado no mesmo dia, sendo a mudança oficializada no diário de 31 de agosto.

No Supremo, a Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) foi proposta pela Cobrapol (Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis). A entidade queria a suspensão do decreto na íntegra.

Porém o ministro concedeu parcialmente o pedido de liminar para suspender os incisos I e III do artigo 2º, além do parágrafo 1º do artigo terceiro do decreto. A decisão será submetida a referendo do Plenário do Supremo.

“O ato normativo atinge, de um modo geral, dois dos mais importantes postulados do Estado Democrático de Direito: a liberdade de expressão e o direito de reunião, caracterizado por ser o modo coletivo de exercer o direito à manifestação de pensamento”, afirma o ministro na decisão.

O ministro ressalta ainda que o parágrafo 1º do artigo terceiro distingue, de forma “desarrazoada”, os servidores públicos dos cidadãos em geral ao prever, àqueles, “sanções disciplinares pertinentes”.

Ao manter a maior parte do decreto, Toffoli aponta que algumas regras do decreto “parecem efetivamente se direcionar à proteção da segurança e do meio ambiente”. A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do governo, que informou que vai recorrer após o recesso e até lá cumprirá a decisão do STF. 

Artigos – No artigo segundo, o inciso I estabelecia que era vedada a utilização de aparelhos ou de instrumentos, de qualquer natureza, produtores ou amplificadores de sons, ruídos, barulhos e rumores, individuais ou coletivos, tais como, trompas, apitos, tímpanos, campainhas, buzinas, sinos, sereias, matracas, cornetas, amplificadores, autofalantes, tambores, veículos de som, fanfarras, banda ou conjuntos musicais.

No inciso III, era proibida a instalação ou a afixação de placas, anúncios, cartazes, tapumes,
avisos, sinais, propaganda ou de quaisquer outras formas de comunicação audiovisual
ou de publicidade.

Sanção - O outro dispositivo suspenso era o que previa que “se a conduta for praticada por servidor público ou se este, de qualquer modo, concorrer para a efetivação das ações mencionadas nesse Decreto, serão aplicadas, ainda, as sanções disciplinares pertinentes, nos termos da lei”. (Matéria editada às 15h29 para acréscimo de informação)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions