ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 13º

Capital

Suspeita de furtar R$ 211 mil em shoppings com as irmãs é presa e liberada

Advogado sustentou que Maria Eduarda está sendo injustamente apontada como uma das participantes do crime

Viviane Oliveira | 25/08/2023 08:17
Foto de Maria Eduarda e das irmãs divulgadas pela polícia após a decretação da prisão delas (Foto: reprodução)
Foto de Maria Eduarda e das irmãs divulgadas pela polícia após a decretação da prisão delas (Foto: reprodução)

Maria Eduarda de Souza Silva, de 32 anos, uma das três irmãs de São Paulo suspeitas de furtos, que deram prejuízo de R$ 211 mil a ótica e loja de celulares em dois shoppings de Campo Grande, entre os dias 16 e 17 de junho, chegou a ser presa, mas foi colocada em liberdade com medidas cautelares.

No mês passado, a Polícia Civil divulgou foto de Maria Eduarda e das irmãs Juma Yara de Souza Silva e Maria Aparecida de Souza Silva como suspeitas de praticarem uma série de furtos. A Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos), então, havia representado pela prisão preventiva das irmãs, o que foi decretado pelo Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul.

Nos boletins de ocorrência registrados, em 16 de junho, o grupo subtraiu de uma rede de óculos importados, no Shopping Campo Grande, 117 óculos de diversas marcas renomadas, causando prejuízo de R$ 176 mil. Já no dia 17 de junho, foram 21 aparelhos celulares de uma loja do Shopping Norte Sul Plaza, e o prejuízo foi de R$ 35 mil.

No pedido de liberdade, o advogado de defesa sustentou que Maria Eduarda está sendo injustamente apontada como uma das participantes do furto qualificado ocorrido em junho deste ano. Ele afirma que foi precipitada a indicação de sua cliente como sendo uma das suspeitas do crime pela sua relação de parentescos com as demais acusadas, suas irmãs. Ainda conforme a defesa, na data de um dos furtos, no dia 16, a investigada estava numa reunião na cidade de São Paulo.

O juiz Fernando Chemin Cury aceitou a justificativa e concedeu liberdade provisória. “Verifico inicialmente que o crime imputado a ela foi o de furto, ou seja, não foi cometido com violência ou grave ameaça e, conforme as certidões de antecedentes criminais juntadas, a requerente é primária. A decisão não diz respeito às irmãs de Maria Eduarda.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias