A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

26/02/2008 10:30

Caso Motel: Advogado exige audiência para ouvir defesa

Redação

O advogado Marcelo Benck entregou ontem à Primeira Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande manifestação exigindo que sejam ouvidas as testemunhas dos réus do chamado Caso Motel, como ficou conhecido o assassinato dos jovens Murilo Alcalde e Eliane Ortiz, ocorrido em 2005.  O processo já tinha sido colocado na fase de sentença pelo juiz, para decidir se levaria ou não os quatro acusados ao júri popular, quando o advogado manifestou que não haviam sido feitas as audiências para ouvir as testemunhas da defesa. Benck representa no caso o policial militar Getúlio Morelli, acusado de envolvimento no homicídio duplo.

Na semana passada, o juiz responsável pelo caso, Júlio Roberto Siqueira, percebeu o erro e pediu a manifestação de Benck se fazia questão da fase de oitiva das testemunhas, o que foi respondido ontem. Benck informou que seu cliente, o policial militar Getúlio Morelli, tem 5 testemunhas a serem ouvidas. Pela linguagem jurídica, são na verdade 3 testemunhas e 2 informantes, como são denominados parentes que depõe a favor de um réu.

O mesmo direito será estendido aos outros três réus, o também policial militar policial Adriano de Araújo Mello, o traficante Irio Vilmar e um homem acusado de ser matador de aluguel, Ronaldo Vilas Boas. Cada um pode apresentar até 8 testemunhas. Os três são defendidos por defensores públicos.

Vai demorar mais ainda - Pela previsão de Marcelo Benck, a realização das audiências para ouvir a defesa dos acusados pode ampliar a duração do processo em até seis meses. O caso já está na justiça desde agosto de 2005. Na prática, o erro vai fazer a peça processual voltar à fase em que estava em março do ano passado, quando foram ouvidas a maior parte das testemunhas de acusação.

Depois dessa fase, deveriam vir as audiências da defesa, etapa que foi pulada. Após isso, é aberto pelo juiz prazo para as partes manifestarem interesse em novas diligências e depois disso, o caso vai para a fase de alegações finais, quando defesa e acusação, no caso o Ministério Público, apresentam sua versão final.

As alegações já tinham sido apresentadas. Os promotores mantiveram a denúncia, mas pediram a exclusão de um réu, Ronaldo Vilas Boas, por falta de provas.  Conforme o juiz explicou na semana passada, se a defesa de fato exigisse as audiências para ouvir as testemunhas apresentadas, elas seriam realizadas, e as alegações finais poderiam ser apenas ratificadas, caso os depoimentos produzam alguma mudança.

O advogado Marcelo Benck afirma que exigiu a realização dos depoimentos para proteger a

Aplicativo enviará à CGU denúncias de agressão e discriminação a pessoas LGBTI+
O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União recebe, a partir de hoje (18), denúncias feitas pelo aplicativo TODXS, relativas à discr...
TSE: regras eleitorais deixam dúvidas sobre fake news e autofinanciamento
O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou hoje (18), por unanimidade, as 10 resoluções que irão regular as eleições de 2018, mas ainda ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions