A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

15/12/2010 09:09

Cientistas de MS estudam frutas do cerrado no combate ao câncer

Marcio Rodrigues Breda

Graviola

Araticum do cerrado é um dos frutos que pode ser usado no combate ao câncerAraticum do cerrado é um dos frutos que pode ser usado no combate ao câncer

Pesquisadores da Universidade Federal da Grande Dourados, com suporte da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul) aprimoraram este ano estudos com um gênero de plantas de grande variedade de espécies frutíferas, conhecidas popularmente como araticum-do-cerrado ou marolo, que poderão ser usadas no futuro tratamento do câncer.

A equipe multidisciplinar é formada pela farmacologista Candida Aparecida Leite Kassuya, a engenheira agrônoma Maria do Carmo Vieira, a química Anelise Samara Nazari Formagio e a toxicologista Arielle Cristina Arena, da UFGD e realiza pesquisas com as plantas do gênero Annonas, que engloba espécies como a graviola (A. muricata), que apresenta componentes ativos para potencial tratamento de doenças.

De acordo com a professora Cândida Kassuya, a graviola apresenta atividade citotóxica, que impede o crescimento do tecido tumoral de diversos tipos de câncer, demonstrando um efeito citotóxico dez mil vezes maior que a Adriamicina, agente tradicionalmente usado contra tumores.

“Como estamos estudando plantas do mesmo gênero da graviola, existe grande possibilidade de termos compostos com similar atividade biológica. Dentre essa plantas estão, por exemplo, o araticum-do-cerrado (A. crassiflora Mart.) e o marolo (A. coriácea)”, explica a pesquisadora.

Os frutos do araticum são consumidos ‘in natura’ ou preparados para consumo regional como geléia, suco ou sorvete. O óleo das sementes é utilizado popularmente para tratar infecções, enquanto a infusão de folhas ou sementes é utilizada para diarreia crônica, como cicatrizante de feridas, tratamento de doenças venéreas, acidentes com cobras e também como antirreumática.

Na tentativa de comprovar a eficácia das espécies, estão sendo desenvolvidos trabalhos utilizando animais de laboratório, necessários para o sucesso da pesquisa. “Até o momento, já se tem resultados preliminares que comprovam a possível atividade antiinflamatória, analgésica, antidiabética e antiartríticas do extrato e frações do araticum”, afirma a farmacologista.

Ainda serão realizados testes toxicológicos para garantir que o araticum não apresenta toxicidade até uma determinada dose. Entretanto, a professora Cândida afirma que são necessários mais estudos para garantir total segurança no uso desta planta.

Grupo realiza pesquisas com as plantas do gênero Annonas, que engloba diversas espécies. Foto: Candida Kassuya Grupo realiza pesquisas com as plantas do gênero Annonas, que engloba diversas espécies. Foto: Candida Kassuya
Testes são feitos em cobaias antes de serem administrados em humanosTestes são feitos em cobaias antes de serem administrados em humanos
Mega-Sena acumula de novo e prêmio estimado sobe para R$ 43,5 milhões
Mais uma vez a Mega-Sena ficou sem vencedor na faixa principal e, com isso, a premiação acumulou e pode chegar a R$ 43,5 milhões no próximo concurso,...
Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...


estou confiante nos cientista para barar esta doença.que deus de a sabedoria a todos os pesquesador.
 
mayre rosangela lima da silva em 15/12/2010 12:04:54
Parabéns as médicas pesquisadoras! O nosso pantanal e cerrado é riquissimo, é de suma importância que nós estajamos à frente das pesquisas, e não deixemos brechas para que ONGS e empresas farmacêuticas internacionais venham patentear o que é nosso!
 
simone de medeiros em 15/12/2010 11:25:02
Que ótima noticia! só fiquei com dó do ratinho.
 
LEILA SOARES em 15/12/2010 09:20:40
gostei muito desta reportagem, tomara que sai sempre estas infornaçoes.
 
Mirian Fonseca Ferro em 15/12/2010 04:43:21
estou orgulhosa efeliz emsaber que o meu ms. tem cientista tãocompetente que possa dar esperançaa umamãe tão sofrida quanto eu.Deusabençõe suas inteligencia e que possa salvar muitas vidas com essa pesquisa.
 
iedaferreira dealmeida em 15/12/2010 03:49:46
Que bela noticia, na natureza, " leia-se " frutas silvestres, " serrado ", existem uma infinidade de espécies frutíferas, com potencial farmacologico ...
Parabéns... dx os invasores longe daqui...
 
Luiz Guimaraes em 15/12/2010 01:41:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions