A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 18 de Agosto de 2018

15/12/2010 09:09

Cientistas de MS estudam frutas do cerrado no combate ao câncer

Marcio Rodrigues Breda

Graviola

Araticum do cerrado é um dos frutos que pode ser usado no combate ao câncerAraticum do cerrado é um dos frutos que pode ser usado no combate ao câncer

Pesquisadores da Universidade Federal da Grande Dourados, com suporte da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul) aprimoraram este ano estudos com um gênero de plantas de grande variedade de espécies frutíferas, conhecidas popularmente como araticum-do-cerrado ou marolo, que poderão ser usadas no futuro tratamento do câncer.

A equipe multidisciplinar é formada pela farmacologista Candida Aparecida Leite Kassuya, a engenheira agrônoma Maria do Carmo Vieira, a química Anelise Samara Nazari Formagio e a toxicologista Arielle Cristina Arena, da UFGD e realiza pesquisas com as plantas do gênero Annonas, que engloba espécies como a graviola (A. muricata), que apresenta componentes ativos para potencial tratamento de doenças.

De acordo com a professora Cândida Kassuya, a graviola apresenta atividade citotóxica, que impede o crescimento do tecido tumoral de diversos tipos de câncer, demonstrando um efeito citotóxico dez mil vezes maior que a Adriamicina, agente tradicionalmente usado contra tumores.

“Como estamos estudando plantas do mesmo gênero da graviola, existe grande possibilidade de termos compostos com similar atividade biológica. Dentre essa plantas estão, por exemplo, o araticum-do-cerrado (A. crassiflora Mart.) e o marolo (A. coriácea)”, explica a pesquisadora.

Os frutos do araticum são consumidos ‘in natura’ ou preparados para consumo regional como geléia, suco ou sorvete. O óleo das sementes é utilizado popularmente para tratar infecções, enquanto a infusão de folhas ou sementes é utilizada para diarreia crônica, como cicatrizante de feridas, tratamento de doenças venéreas, acidentes com cobras e também como antirreumática.

Na tentativa de comprovar a eficácia das espécies, estão sendo desenvolvidos trabalhos utilizando animais de laboratório, necessários para o sucesso da pesquisa. “Até o momento, já se tem resultados preliminares que comprovam a possível atividade antiinflamatória, analgésica, antidiabética e antiartríticas do extrato e frações do araticum”, afirma a farmacologista.

Ainda serão realizados testes toxicológicos para garantir que o araticum não apresenta toxicidade até uma determinada dose. Entretanto, a professora Cândida afirma que são necessários mais estudos para garantir total segurança no uso desta planta.

Grupo realiza pesquisas com as plantas do gênero Annonas, que engloba diversas espécies. Foto: Candida Kassuya Grupo realiza pesquisas com as plantas do gênero Annonas, que engloba diversas espécies. Foto: Candida Kassuya
Testes são feitos em cobaias antes de serem administrados em humanosTestes são feitos em cobaias antes de serem administrados em humanos
Último sorteio da Mega-Sena na semana pode pagar até R$ 23 milhões
Neste sábado (18) o último dos três sorteios da semana da “Mega-Sena dos Pais) pode pagar para um ou mais acertadores até R$ 23 milhões. Durante os o...
Gabaritos do Enceja já estão disponíveis no site do Inep
O Ministério da Educação (MEC) divulgou no final da tarde de hoje (17) gabarito oficial do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens...


estou confiante nos cientista para barar esta doença.que deus de a sabedoria a todos os pesquesador.
 
mayre rosangela lima da silva em 15/12/2010 12:04:54
Parabéns as médicas pesquisadoras! O nosso pantanal e cerrado é riquissimo, é de suma importância que nós estajamos à frente das pesquisas, e não deixemos brechas para que ONGS e empresas farmacêuticas internacionais venham patentear o que é nosso!
 
simone de medeiros em 15/12/2010 11:25:02
Que ótima noticia! só fiquei com dó do ratinho.
 
LEILA SOARES em 15/12/2010 09:20:40
gostei muito desta reportagem, tomara que sai sempre estas infornaçoes.
 
Mirian Fonseca Ferro em 15/12/2010 04:43:21
estou orgulhosa efeliz emsaber que o meu ms. tem cientista tãocompetente que possa dar esperançaa umamãe tão sofrida quanto eu.Deusabençõe suas inteligencia e que possa salvar muitas vidas com essa pesquisa.
 
iedaferreira dealmeida em 15/12/2010 03:49:46
Que bela noticia, na natureza, " leia-se " frutas silvestres, " serrado ", existem uma infinidade de espécies frutíferas, com potencial farmacologico ...
Parabéns... dx os invasores longe daqui...
 
Luiz Guimaraes em 15/12/2010 01:41:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions