A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

10/10/2012 11:04

Por reajuste, médicos suspendem atendimento a planos até dia 17

Paula Maciulevicius
Após longa negociação das entidades médicas, Sindicato, CRM e Associação Médica, categoria adere à movimentação nacional. (Foto: Rodrigo Pazinato)Após longa negociação das entidades médicas, Sindicato, CRM e Associação Médica, categoria adere à movimentação nacional. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Em pauta, o reajuste no repasse de consultas e procedimentos e o fim da interferência dos planos de saúde na relação médico-paciente. Na prática, braços cruzados para o atendimento aos planos de saúde de hoje até o dia 17 de outubro.

Durante coletiva na manhã de hoje, no CRM (Conselho Regional de Medicina), o vice-presidente do Conselho, Alberto Cubel Júnior, falou que a decisão foi tomada depois de longa negociação das entidades médicas, Conselho, Associação Médica e Sindicato dos Médicos, com as operadoras de saúde.

“Tentamos durante o ano passado a negociação de reajuste, como não obtivemos êxito, vamos paralisar os atendimentos eletivos e retornamos do dia do médico”. A paralisação segue o movimento nacional, que para por 15 dias. No entanto, na avaliação dos dirigentes de classes médicas, a fragilidade da saúde no Estado traria muitos prejuízos à população.

Os serviços de urgência e emergência continuam e o o CRM recomenda que usuários que se sentirem prejudicados, procurem a ANS (Agência Nacional de Saúde).

Vice-presidente do CRM, Alberto Cubel fala que enquanto mensalidades aumentaram 200%, repasse não chegou a 60%. (Foto: Rodrigo Pazinato)Vice-presidente do CRM, Alberto Cubel fala que enquanto mensalidades aumentaram 200%, repasse não chegou a 60%. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Dados levantados pelas entidades médicas mostram que de 2003 a 2011, o reajuste da mensalidade dos planos foi em torno de 200%. “E nós médicos recebemos em torno de 60%. São 140% a menos, pagos pelos clientes dentro das operadoras”, ressalta Cubel.

Entre as tentativas de negociação com as operadoras, entre elas as quatro de maior atuação em Mato Grosso do Sul: Cassems, Funserv, Unidas e Unimed, o presidente do CRM sustenta que o ouvido foi que os planos não tem condições de dar reajuste.

“Para onde está indo o dinheiro então? Está faltando gestão nas operadoras”, acrescenta.

Em relação ao fim da intervenção na autonomia do médico, a categoria considera influência antiética. “É muito comum os planos negarem procedimentos de alto custo. É o que não pode haver, interferência se o médico necessita operar”, completa.

O último reajuste que os médicos de planos de saúde receberam foi ano passado. Quando o repasse da consulta, em média, foi de R$ 45 para R$ 60. “Essa também é a nossa briga, por critérios claros, colocar isso em lei, normatizar reajustes anuais”, levantou.

Para o presidente do Sindicato dos Médicos, Marco Antônio Leite, o que o movimento está pedindo é a consulta paga em cima da tabela nacional e mais 20%. Com isso, o valor chegaria a R$ 80.

Presidente do Sindicato, Marco Antônio Leite considera absurdo valores como R$ 10 em repassados por procedimentos. (Foto: Rodrigo Pazinato)Presidente do Sindicato, Marco Antônio Leite considera absurdo valores como R$ 10 em repassados por procedimentos. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Marco Antônio levantou que todo o lucro dos últimos 10 anos não foi repassado para os médicos. “Temos procedimento que se paga 10 reais. Tem plano que segue a classificação de 1996”, diz. Na avaliação do Sindicato e também na prática, o que se veem entre agendamento de consultas é que algumas especialidades estão realmente deixando de existir nos planos de saúde.

Em um comparativo feito pelo movimento nacional e apresentado pelo Sindicato para um procedimento como biópsia o repasse das operadores é de R$ 8,17. “Isso enquanto uma recarga de celular é de R$8. São coisas absurdas, nós não estamos querendo ganhar dinheiro”, justifica.

Outro exemplo é o exame de eletrocardiograma. “É repassado ao médico em média R$ 10. Uma revista semanal custa R$ 9,90”.

Com a paralisação, Marco Antônio considera que é possível melhorar a qualidade do serviço. “Estaremos indiretamente melhorando o atendimento para o usuário, contribui para a população a partir de quando o profissional for valorizado”, enfatiza.

Em termos de negociação, as entidades esperam que ao fim do movimento possam sentar novamente com os dirigentes das operadoras. “Vamos apresentar a lista de reivindicação e decidir critérios anuais”, disse. Sobra a interferência dos planos, Marco Antônio finaliza “é inadmissível, a palavra em cima de um procedimento é do profissional que decide. A operadora tem que bancar, tem que pagar”.

Como orientação final aos usuários, o Sindicato orienta para que aqueles que sentirem necessidade, vão até o plano, combinem o preço a ser pago pela consulta ao médico e peça o ressarcimento

Médicos iniciam hoje suspensão de atendimentos a planos de saúde
Como protesto, os médicos de Mato Grosso do Sul interrompem a partir de hoje (10) os atendimentos aos planos de saúde. A iniciativa é nacional, mas n...
Médicos iniciam amanhã suspensão de atendimentos a planos de saúde
A partir de amanhã (10), os médicos de Mato Grosso do Sul interrompem os atendimentos aos planos de saúde. A iniciativa é nacional, mas no Estado a c...
Médicos anunciam suspensão de atendimento a plano de saúde por uma semana
Médicos de Mato Grosso do Sul decidiram aderir ao protesto nacional contra supostos abusos cometidos pelos planos e seguros de saúde. Profissionais d...
Médicos ameaçam parar atendimento a plano de saúde em outubro
Médicos de todo o Brasil irão participar de protesto nacional contra abusos cometidos pelos planos e seguros de saúde, entre os dias 10 e 25 de outub...


ISTO SIM QUE É UM SUSTO NA GENTE QUE PAGA PLANO DE SAÚDE. E AINDA TEM GENTE QUE FALA MAL DOS POSTOS DE SAÚIE DA PREFEITURA. IMAGINEM VC PAGAR UM PLANO DE SAUDE E NEM SER ATENDIDO? ACONTECEU COMIGO PAGO UM PLANO DE SAUDE E PRA MARCAR UMA CONSULTA TIVE QUE ESPERAR 5 MESES PRA CONSULTAR.
 
ELY MONTEIRO em 11/10/2012 09:51:33
Senhores Legisladores: Por favor faça alguma coisa para salvar os problemas da saúde deste país! Presidenta Dilma a curto prazo importamos médicos de países da América do Sul eles irão cobrar a metade dos médicos brasileiros. A longo prazo abrem as portas das universidades de medicinas dando oportunidade para os melhores alunos das escolas públicas cursarem medicina. no Brasil Estuda medicina quem tem dinheiro, é uma vergonha nossos filhos terem que estudar na Bolívia!. Esta profissão está escassa no Brasil principalmente no interior, nossas universidades só abrem curso de pedagogia.
 
João Aparecido em 10/10/2012 19:44:50
Acho que os médicos tem direito a melhores remunerações...Porém a população não pode ser prejudicada. A UNIMED não é uma cooperativa de médicos???? Liderada por eles??? Na hora do reajuste eles não querem saber de nada repassam e os usuários tem que pagar de qualquer maneira...
 
Katia Fernandes em 10/10/2012 12:24:11
ISSO É UM ABSURDO, SE REALMENTE O QUE OS MÉDICOS ESTÃO DIZENDO É VERDADEIRO, PORÉM, TAMBÉM TEM QUE HAVER COBRANÇA EM CIMA DE GRANDE PARTE DOS MÉDICOS DE C.G QUE ESTÃO AGENDANDO CONSULTAS PELOS PLANOS DE SAÚDE ATÉ PRA TRÊS MESES, PORÉM SE VC LIGA E DIZ QUE É PARTICULAR, ELES ARRUMAM VAGA ATÉ PRO MESMO DIA. SE ELES QUEREM COBRAR TEM QUE SEREM COBRADOS TAMBÉM, E SE ACHAM QUE NÃO ESTÃO SENDO BEM REMUNERADOS, PEDEM PRA SAIR e DÁ O LUGAR PRA QUEM REALMENTE PRECISA E QUER TRABALHAR.
 
Milton Martins em 10/10/2012 12:11:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions