A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 18 de Setembro de 2018

07/07/2018 17:54

História do negro na região pantaneira é retratada em museu

Sala expositiva é composta por 14 painéis divididos em cinco tópicos

Danielle Valentim
População negra na região do Pantanal é retratada como parte do projeto Adequação Expográfica do Museu de História do Pantanal. (Foto: Divulgação)População negra na região do Pantanal é retratada como parte do projeto Adequação Expográfica do Museu de História do Pantanal. (Foto: Divulgação)
Sala expositiva é composta por 14 painéis divididos em cinco tópicos. (Foto: Divulgação)Sala expositiva é composta por 14 painéis divididos em cinco tópicos. (Foto: Divulgação)

O Museu de História do Pantanal inaugurou a Sala Expositiva “Braços cativos no espaço urbano e rural de Corumbá”, que retrata a história do Negro na região pantaneira, desde a ocupação humana, há 2.500 anos, até 1.888, ano da assinatura da Lei Áurea que aboliu a escravidão no Brasil.

Segundo o Diário Corumbaense, a abertura da sala foi uma iniciativa da Fundação Barbosa Rodrigues, gestora do Muhpan, e contou com patrocínio da Caixa Econômica Federal. O projeto surgiu a partir de 2016, quando a Caixa publicou edital relativo ao Programa Caixa de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro – 2017/2018.

O projeto proposto pela Fundação e aprovado pela Caixa, foi justamente o da criação de uma nova sala expositiva na sede do Muhpan, retratando a população negra na região do Pantanal, como parte do projeto Adequação Expográfica do Museu de História do Pantanal.

A exposição mescla o didático e o artístico sobre a riqueza da população negra em solo pantaneiro, até então desconhecida da própria comunidade local. Maria Verônica Sáfadi Nogueira, que representou o presidente de honra da Fundação, Antônio João Hugo Rodrigues destacou o trabalho desenvolvido pela professora do Campus Pantanal da UFMS, doutora em História, Elaine de Almeida Cancian, que realizou uma intensa pesquisa sobre a população negra na região, na abordagem do tema “Escravidão do africano e afrodescendentes nas fazendas e espaços urbanos de Corumbá”.

Pesquisa foi feita também em Cuiabá e em Corumbá, a professora buscou informações no acervo da Câmara Municipal de Vereadores que conta com documentos importantes que registram a história de Corumbá.

Na inauguração da sala expositiva, o vereador e presidente da Câmara, Evander Vendramini, colocou o acervo da Câmara à disposição, citando ainda que o trabalho de catalogação foi iniciado em 2011, com apoio da UFMS – Campus Pantanal. Para ele, a sala retrata a presença da população negra na região, participando efetivamente da história e da cultura corumbaense.

O gerente regional da Caixa, Jorge Luiz Ribeiro Junior, representou a superintendência do MS, e enalteceu o trabalho desenvolvido em Corumbá, lembrando que a Caixa foi fundada em 1.861, justamente “para receber depósitos dos escravos, que guardam seu dinheiro para conseguir a carta de alforria”, acentuando que, agora, a instituição trabalha para que essa história continue viva.

A sala expositiva é composta por 14 painéis divididos em cinco tópicos: África, Travessia e Comércio, Trabalho, Castigo e Liberdade. O Museu de História do Pantanal fica na rua Manoel Cavassa, 275 – Porto Geral de Corumbá. Com informações da Câmara de Corumbá.



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.