ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 12º

Comportamento

Eliezer trocou uniforme de rede de fast food para seguir sonho na moda

Em plena pandemia, ele largou o emprego e quase se endividou para poder criar sua própria marca de roupas

Por Raul Delvizio | 17/03/2021 09:39
Eliezer é o ex-funcionário de rede de fast food que realizou o sonho de ter marca autoral de moda (Foto: Caruzo Fotografia)
Eliezer é o ex-funcionário de rede de fast food que realizou o sonho de ter marca autoral de moda (Foto: Caruzo Fotografia)

No ano passado, Eliezer "Eli" Diogo dos Santos Teixeira, 21 anos, trabalhou rotineiramente em uma rede de fast food de Campo Grande. Por 9 meses ele não se sentiu constrangido ou envergonhado pelo serviço “braçal” que realizava, mas sabia que aquilo não fazia parte dos seus sonhos. Pois foi em plena pandemia, em setembro de 2020, que largou mão do emprego, quase se endividou e resolveu se lançar no mundo da moda sul-mato-grossense como estilista.

“Eu sempre desejei empreender de alguma forma, não queria mais ser funcionário de ninguém. Naquela mesma época em que saí, uma amiga costureira realizou um sorteio com uma quantia em costuras. Participei e ganhei. Com o prêmio, veio a ideia de criar uma marca autoral. Passei meu cartão de crédito até o limite, usei  tudo que tinha e não tinha, comprei sacolas, adesivos e tecidos e consegui montar minha primeira coleção”, relembra.

Registro feito em reunião da equipe do McDonald's em shopping da Capital, onde Eli trabalhou (Foto: Arquivo Pessoal)
Registro feito em reunião da equipe do McDonald's em shopping da Capital, onde Eli trabalhou (Foto: Arquivo Pessoal)
Eli ao lado de uma amiga durante processo de manufatura da coleção que estava prestes a lançar (Foto: Arquivo Pessoal)
Eli ao lado de uma amiga durante processo de manufatura da coleção que estava prestes a lançar (Foto: Arquivo Pessoal)

Criado pela mãe e avó, Eli revela que mesmo na simplicidade nunca passou por necessidades. “Elas supriam o básico e alguns familiares nos ajudavam com o possível. Quando minha mãe teve alguns problemas de saúde e não poderia mais trabalhar como doméstica, foi aí que comecei de fato a ajudar nas contas de casa. Antes de terminar o ensino médio, já tinha sido garçom, cabeleireiro e atendente de telemarketing, até entrar para o time do ‘Méqui’ do shopping”, afirma agora o empresário da Shop Eli Diogo, sua loja on-line de vestuário.

“Via os lojistas de roupas e aquilo acendia a vontade de ter algo só meu, com minha cara e personalidade. Vivia cansado de tantas horas de trabalho e já estava saturado do emprego. A maior dificuldade sempre foi o financeiro. Quando ganhei a ‘ajuda’ da minha amiga foi a oportunidade que precisava para realizar meu sonho”, ressalta.

Estilista em primeiro ensaio fotográfico para sua marca on-line autoral de roupas, a Eli Diogo (Foto: Letícia Espíndola)
Estilista em primeiro ensaio fotográfico para sua marca on-line autoral de roupas, a Eli Diogo (Foto: Letícia Espíndola)
Ao lado do modelos Carlos Vieira e Bruna Trindade, Eli faz pose para clique "fashion" (Foto: Letícia Espíndola)
Ao lado do modelos Carlos Vieira e Bruna Trindade, Eli faz pose para clique "fashion" (Foto: Letícia Espíndola)

Mesmo sem saber costurar, sua infância teve bastante referências na moda. “Acompanhava de perto o programa ‘Esquadrão da Moda’. Ainda criança, levava jeito quando as pessoas me procuravam para dar ‘pitaco’ nos looks. O ápice veio quando eu conheci o reality show ‘Next In Fashion’ e algumas matérias do designer de moda francês Olivier Rousteing. Isso tudo foi me inspirando ao máximo para também criar”, diz.

Na sua primeira coleção pela marca, Eli conta que quis criar algo avant-garde por ver que nas lojas populares, por exemplo, não tinham camisetas de gola alta com um tecido confortável para homens, apenas versões femininas.

“Minha proposta sempre foi desmistificar as tendências e o padrão por ser homem ou mulher. Pensei em como introduzir isso numa cidade onde o clima é quente e a galera está acostumada com praticidade. Foi uma loucura esse processo, mas foi possível. Quando lancei, vendi toda a coleção em menos de 24 horas. Fiquei super feliz, nem imaginava que isso iria acontecer!”, agradece.

Seja para homem ou mulher, ele investiu nas golas altas com tecido fresco e leve mesmo no calor (Foto: Arquivo Pessoal)
Seja para homem ou mulher, ele investiu nas golas altas com tecido fresco e leve mesmo no calor (Foto: Arquivo Pessoal)
Eli ao lado de uma outra amiga; "sempre dei 'pitacos' no que os outros poderiam vestir", diz (Foto: Arquivo Pessoal)
Eli ao lado de uma outra amiga; "sempre dei 'pitacos' no que os outros poderiam vestir", diz (Foto: Arquivo Pessoal)

Nova coleção – Em comemoração ao seu aniversário e também aos 5 meses da marca, Eli resolveu fazer uma parceria: convidou a designer de sapatos Maria Almeida e juntos montaram uma “collab”. O lançamento foi no último sábado (13), em uma live nas redes sociais.

“Assim como eu, ela também é uma jovem empreendedora. Fizemos uma coleção coma nossa linguagem, mais jovial, nada convencional e em preto e branco. Juntarmos as ideias cada um do outro – eu nas roupas, ela nos sapatos – e combinamos tudo. Ficou incrível”, garante.

Coleção lançada agora, Eli fez parceria com a designer de sapatos Maria Almeida (Foto: Caruzo Fotografia)
Coleção lançada agora, Eli fez parceria com a designer de sapatos Maria Almeida (Foto: Caruzo Fotografia)

Mesmo com o sonho em prática, Eli assegura que seu desejo é, em suas palavras “se tornar grande”. “Preciso ganhar cada vez mais experiências, entender o processo no segmento com paciência e persistência, e ir conforme Deus e o mercado quer!”, brinca. “Meu sonho só começou. Agora quero espalhar para o Brasil também”, finaliza.

Confira mais sobre Eli Diogo em seu perfil pessoal no Instagram.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário