ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 16º

Consumo

Com aumento de dengue, Anvisa publica orientações sobre repelentes

Segundo a agência, contra o mosquito Aedes há apenas produtos para aplicação na pele e para uso no ambiente

Por Geniffer Valeriano | 11/02/2024 11:57
Repelentes expostos em pratileira de mercado (Foto: Arquivo)
Repelentes expostos em pratileira de mercado (Foto: Arquivo)

Com o aumento do número de casos de dengue, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) esclarece quais repelentes podem ser usados contra o mosquito Aedes, que realiza a transmissão da doença. A agência também reforçou que inseticidas naturais não possuem comprovação de eficácia.

Segundo a Anvisa, contra o mosquito da dengue há apenas produtos para aplicação na pele e para uso no ambiente. É ressaltado pela agência, que não há nenhum produto de uso oral, como vitamina e comprimidos, com indicação aprovada para repelir o mosquito.

Os produtos para a pele entram na categoria de cosméticos e devem possuir registro na agência. Aqueles que já possuem a aprovação da Anvisa podem ser usados tanto em crianças como em adultos. Porém, a agência reforça a importância dos consumidores seguirem as orientações do rótulo do produto.

Outro ponto destacado pela Anvisa é a respeito dos repelentes com o ingrediente DEET, esses não são permitidos em crianças menores de 2 anos. Enquanto para crianças de 2 a 12 anos os produtos com essa substância é permitido, mas a sua concentração não deve ser maior que a de 10%. A aplicação também é restrita a três por dia, evitando o uso prolongado.

Ainda é reforçado que os repelentes devem ser usados nas áreas expostas do corpo, conforme a norma vigente sobre cosméticos. Só é recomendada a aplicação do produto na roupa quando há indicação expressa na arte da rotulagem.

Para o uso em ambientes, há dois produtos: os  inseticidas e repelentes. Os inseticidas  possuem substâncias ativas que matam os mosquitos adultos. Já os repelentes, apenas afastam os mosquitos do ambiente.

Os repelentes são comumente encontrados na forma de espirais, líquidos e pastilhas utilizadas, por exemplo, em aparelhos elétricos.  É reforçado que os produtos em espirais e elétricos não devem  ser usados em ambientes com pouca ventilação nem na presença de pessoas asmáticas ou com alergias respiratórias.

Ainda é dito que os  inseticidas chamados “naturais”, à base de citronela, andiroba, óleo de cravo, entre outros, não possuem comprovação de eficácia contra o mosquito. Em contrapartida, o óleo de neem, que possui a substância azadiractina, é aprovado pela Anvisa para uso em inseticidas, mas o produto deve estar registrado.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias