A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

04/09/2017 06:15

Sonho de conhecer o Brasil começou com passagem promocional para o Norte

Em agosto deste ano, Lucas resolveu tirar os planos do papel para conhecer todos os estados brasileiros

Mariana Lopes
Lucas encontrou em Eric a parceria nas viagens e nos sonhos da vida (Foto: arquivo pessoal)Lucas encontrou em Eric a parceria nas viagens e nos sonhos da vida (Foto: arquivo pessoal)

Dono de uma alma livre e viajante, o sonho do jornalista Lucas Francisquini Pellicioni, 26 anos, é conhecer todos os estados do Brasil. Em agosto deste ano, ele resolveu tirar os planos do papel e partir para a realização. Os primeiros destinos foram Pará e Amapá, na região Norte do País.

Uma super promoção na passagem aérea foi o empurrãozinho que fez Lucas começar a planejar a viagem de fato. Com os bilhetes comprados, para ele e o namorado, Eric da Silva Lima, 26 anos, era hora do planejamento. Foram quatro meses de pesquisa sobre as cidades que estavam no roteiro: Macapá, Belém, Soure e Afuá. Eles fizeram um levantamento sobre tudo que seria útil para o passeio, desde hospedagem, lugares turístico que não poderiam deixar passar a curiosidades que envolviam os locais.

No último dia 14 de agosto, o casal embarcou no Aeroporto Internacional de Campo Grande e desembarcou na capital do Amapá. Em solo nortista, os dois estavam preparados para mergulhar em toda a cultura daquela terra. "Macapá é uma capital muito pequena, com pouca estrutura, mas foi legal! É bacana conhecer as culturas locais. Somos unidos por um idioma, temos a mesma moeda, mas você sai do seu estado e muitas vezes parece que saiu do seu país", destaca Lucas.

Ao todo, Lucas e Eric passaram 8 dias entre as quatro cidades. Ainda no Amapá, o segundo destino foi Afuá, uma cidadezinha com cerca de 40 mil habitantes, onde se chega de avião ou de barco e também onde não há carros.

"A cidade é toda construída em palafita e todos andam de bicicletas, existem até bicitáxis. Isso eu achei muito engraçado. A cultura local é toda moldada nisso", destaca o jornalista. Mas lá, o passeio deles foi feito à pé mesmo. "Nossa! Nunca passei tanto calor na vida. Com o sol á pino, a cidade para a tarde. Foi uma visita curiosa", recorda.

Em Soure há mais búfalos do que habitantes (Foto: arquivo pessoal)Em Soure há mais búfalos do que habitantes (Foto: arquivo pessoal)

E como toda viagem pra ser boa precisa ter perrengue, os principais contratempos foram justamente em Afuá. "Queria ir pra um balneário, mas a dona estava viajando. Minha visita se resumiu a procurar o contato dessa mulher, de casa em casa perguntando. Quando conseguimos, o telefone estava desligado. Mas valeu a experiência", conta Lucas.

Como o plano do balneário foi por água abaixo, o jeito foi curtir a pacatez do interior até dar o horário do próximo barco que voltaria para Macapá, às 17h30. Mas esperar o tempo passar foi fácel. O desafio mesmo foi encarar o barco da volta. Pelo menos para o Eric.

"A ida que tinha sido numa lancha, muito parecida com um ônibus, e a viagem durou uma hora e meia. Na volta, a gente pegou aqueles barcos que o pessoal viaja nas redes. Saimos 17h30 e fomos descer do barco 22h, em Macapá. Na chegada, a maresia ficou bem forte e o barco ficou meio instável, tinha um filtro de água que não estava preso, tombou, um móvel ficou indo de um lado a outro. Mas foi lindo, no meio da floresta, no total escuro, nunca vi tanta estrela na vida. O Éric estava morrendo de medo e eu me sentindo em um brinquedo de parque de diversões", lembra Lucas.

O próximo destino foi Belém, capital do Pará. O lugar que deu início aos projetos de viagem de Lucas. "Era um sonho de muito tempo, já sabia que a cidade era muito antiga e acho que fica na região mais distante culturalmente de nós. Acho legal conhecer todos lados do nosso país", diz o jornalista. Afinal, ele precisou muito justificar às pessoas essa vontade estranha de se aventurar por aquelas bandas. "Muitas pessoas achavam uma vontade curiosa, diferente, mas a riqueza cultural de lá é surpreendente, uma cidade impressionante", garante.

Ainda bem que Lucas encontrou um super parceiro para acompanhá-lo a desbravar o Brasil. Seja a pé, de avião ou no balanço do barco. E mesmo depois da experiência nada agradável pelo rio, lá foram os dois de novo por águas para desembarcar na última cidade do roteiro: Soure, a "capital" da Ilha do Marajó. 

"Entre as minhas pesquisas, descobri que lá é o maior arquipélago do mundo. Tem uma escassa, mas suficiente, estrutura pra turistas, tem uns passeios pelas fazendas e praias de água doce/salgada. No mapa da para ver que o Atlântico meio que se mistura com o Rio Amazonas
e não dá para saber quando se está no rio ou no mar", explica Lucas, tentando expressar as emoções que sentiu.

Mas o que despertou a curiosidade mesmo do casal em Soure foi a quantidade de búfalos na cidade. "são cerca de 600 mil búfalos na ilha, uma quantidade bem superior ao número de pessoas, além de ser um animal bem importante pra economia local e são vistos por todo canto".

Redes no barco que fez o trajeto de Afuá a Macapá (Foto: arquivo pessoal)Redes no barco que fez o trajeto de Afuá a Macapá (Foto: arquivo pessoal)

Próximos planos - Os próximos roteiros ainda não estão organizados e Lucas também não definiu qual será o novo destino que dará continuidade ao sonho de conhecer o Brasil de ponta a ponta. Mas o projeto que pretende tirar do papel o mais rápido possível é o de fazer um blog para contar suas experiências nessas aventuras de viajante.

"Quero compartilhar minhas experiências e também mostrar que é possível viajar sem precisar de recursos muito caros", diz Lucas. E para exemplificar isso, ele anda conta sobre a hospedagem, que nesta viagem experimentou formas diferentes e ais econômicas de ficar nas cidades.

"Em Macapá, fomos de airbnb, aquele site no qual você aluga apartamentos de outras pessoas, seja apenas um quarto ou o apê inteiro. Neste caso, ficamos em uma kitnet super bem localizada, muito boa. Em Belém, na primeira noite, ficamos em um hotel comum, mais confortável para descansar bem. Em Marajó, ficamos em uma pousadinha bem simples, que não gostamos muito. E de volta a Belém, ficamos de novo no airbnb, mas dessa vez na casa de uma mulher. Foi uma ótima experiencia! Nunca tinha ficado na casa de alguém, sempre tinha alugado espaços inteiros. O apê era no centrão da cidade e lá moravam a dona e filha. As duas super good vibes, indicaram lugares muito legais e me fizeram sentir super em casa", conta Lucas.

E foi mais ou menos assim a viagem do Lucas e do Eric, que embarcou no sonho do namorado. Com certeza, não há palavras suficientes que irão descrever ou dar um fiel retrato de como foram os dias no Norte. Muito menos há fotografia que revele aquilo que hoje está para sempre na memória dos dois. Que o caminho pelas estradas do nosso Brasil seja sempre cartão postal para os viajantes!

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram.




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.