A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

20/06/2016 16:40

Acordo com a União deve gerar economia de R$ 650 milhões a MS

União apresentou proposta de congelar o pagamento da dívidas pelos Estados até 2017

Michel Faustino
O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) durante reunião com gestores de outros Estados para debater a renegociação da dívida com a União. (Foto: Divulgação)O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) durante reunião com gestores de outros Estados para debater a renegociação da dívida com a União. (Foto: Divulgação)

Mato Grosso do Sul deve economizar aproximadamente R$ 650 milhões com o 'congelamento temporário' do pagamento da dívida com a União, conforme acordo definido em reunião na tarde desta segunda-feira (20), entre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e representantes de 25 estados. A proposta prevê uma carência de 24 meses, sendo que nos 6 primeiros o desconto será de 100%.

Atualmente, o Estado detém uma dívida total de cerca de R$ 6 bilhões e 'paga' aproximadamente R$ 108 milhões por mês a União. Com isso, conforme a proposta, até o fim do ano, MS deve economizar cerca de R$ 650 milhões que poderão ser empregados em outras áreas.

A partir de janeiro de 2017, esse desconto será reduzido gradualmente, em aproximadamente 5.5 pontos percentuais por mês, até junho de 2018, conforme divulgado pelo Jornal Folha de S. Paulo.

Recentemente, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) apresentou proposta para o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, de utilizar parte deste recurso para tentar solucionar as disputas de terra entre índios e fazendeiros.

Os recursos seriam repassados ao Fepati (Fundo Estadual de Terras Indígenas), lei instituída em 2012 com a finalidade de “captar recursos financeiros para, dentre outras, adquirir terras e destiná-las às comunidades indígenas”.

Acordo - Os treze estados, incluindo Mato Grosso do Sul, que detém liminares no STF que suspendem o pagamento das dívidas ,deverão retirar as ações e pagar esse resíduo em 24 meses.

A renegociação das dívidas também alonga em 20 anos os pagamentos dos débitos com a União. Os descontos dados nesses primeiros 24 meses serão cobrados ao final desse período de carência.

As dívidas com o BNDES serão alongadas em mais 10 anos, com 4 anos de carência. Neste caso, ficaram de fora as dívidas contraídas pelo Estados relativas à Copa do Mundo, realizada em 2014.

Apesar da carência maior, o impacto fiscal para o governo federal da proposta que foi aceita é semelhante a de propostas feitas anteriormente, aproximadamente R$ 28 bilhões. Esse valor, se recomposto com juros, após o período de carência.

Matéria editada às 17h para acréscimo de informações*

 

União muda proposta de renegociação da dívida para atender a estados
O Ministério da Fazenda reformulou a proposta de desconto das parcelas da dívida dos estados até 2018. Agora, as parcelas terão desconto de 100% a pa...
Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions