ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Política

Assembleia Legislativa quer ampliar estacionamento sem derrubar árvores

Empresa foi contratada pelo Legislativo para apresentar estudo de verticalização e subsolo para novas vagas

Por Gabriela Couto | 10/12/2023 08:18
Imagem aérea do Palácio Guaicurus, sede da Assembleia Legislativa mostra densa vegetação nativa em torno do prédio e estacionamento (Foto: Google Earth)
Imagem aérea do Palácio Guaicurus, sede da Assembleia Legislativa mostra densa vegetação nativa em torno do prédio e estacionamento (Foto: Google Earth)

“Nenhuma árvore será cortada”, garantiu o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Gerson Claro (PP). A Mesa Diretora da Casa de Leis contratou a empresa Monteiro & Nogueira Engenharia e Construção para apresentar um projeto de construção de estacionamento.

Por R$ 320.981,71 os engenheiros terão que apresentar em no máximo dois meses uma ideia que garanta a ampliação das vagas, sem que haja a supressão vegetal. “Queremos fazer no atual estacionamento para preservar. Por isso, a ideia é verticalizar ou usar o subsolo”, destacou Claro.

Presidente da Assembleia Legislativa, Gerson Claro (PP), promete não derrubar nenhuma árvore para ampliar vagas de estacionamentos (Foto: Luciana Nassar)
Presidente da Assembleia Legislativa, Gerson Claro (PP), promete não derrubar nenhuma árvore para ampliar vagas de estacionamentos (Foto: Luciana Nassar)

A proposta já havia sido ventilada pelo deputado estadual Pedro Pedrossian Neto (PSD), neto do ex-governador Pedro Pedrossian, que criou o complexo que abriga as sedes dos três poderes. O parlamentar fez o anúncio em meio a tentativa do Governo do Estado de fazer um novo acordo com o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) para cortar a vegetação nativa e ampliar as vagas dos estacionamentos para os servidores dos órgãos estaduais do Parque dos Poderes.

O Parque dos Poderes abriga uma extensa biodiversidade no espaço remanescente do Cerrado e que coexiste há 40 anos em harmonia com os habitantes da Capital.

Ambientalistas tentam defender a reserva ecológica do Parque do Poderes desde que a denúncia do Campo Grande News, de que árvores já teriam sido cortadas na Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda) para ampliação de novas vagas. Houve ainda a tentativa de tombar o complexo para evitar o desmatamento, mas sem sucesso.

Novas vagas de estacionamentos criadas pela Sefaz, antes mesmo do acordo ser homologado com o o Ministério Público (Foto: Arquivo/Marcos Maluf)
Novas vagas de estacionamentos criadas pela Sefaz, antes mesmo do acordo ser homologado com o o Ministério Público (Foto: Arquivo/Marcos Maluf)

Entenda – Um acordo judicial que propõe levar adiante o desmatamento de áreas do Parque dos Poderes, em Campo Grande, para a construção de prédios como o novo Palácio da Justiça e de estacionamentos, está em discussão.

Chamado de "novo acordo" pelo MPMS no processo, ele altera proposta protocolada em agosto junto à 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, onde tramita desde 2019 ação de Tutela Cautelar Antecedente movida pelo próprio órgão de controle, na tentativa de evitar danos ambientais e sociais que poderão ser causados com a derrubada de vegetação.

Imagem aérea do Parque dos Poderes com círculo sobre a Sefaz mostrando cicatriz da vegetação após supressão ilegal de árvores (Foto: Google Earth)
Imagem aérea do Parque dos Poderes com círculo sobre a Sefaz mostrando cicatriz da vegetação após supressão ilegal de árvores (Foto: Google Earth)

O documento ainda traz detalhamento das áreas onde se comprometem a não autorizar a intervenção. Após, são relacionadas as que somam mais de 18 hectares e poderão ser usadas para ampliações e novas construções no Parque dos Poderes, ou seja, desmatadas. A proposta reforça que nenhuma delas é APP (Área de Preservação Permanente), conforme estudo técnico apresentado pelo MPMS.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias