ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 12º

Política

Lós viu erro na ação da Câmara, mas decidiu o contrário há dois anos

Zemil Rocha | 25/11/2013 14:45
Lós aconselhou Câmara a usar "agravo", mas em 2011 decidiu que "não caberia" (Foto: arquivo)
Lós aconselhou Câmara a usar "agravo", mas em 2011 decidiu que "não caberia" (Foto: arquivo)

A Câmara de Campo Grande apontou num dos dois agravos regimentais, impetrados no sábado no Tribunal de Justiça do Estado, que o desembargador João Maria Lós argumentou contraditoriamente ao decidir pela suspensão da Comissão Processante que apura denúncias que podem levar à cassação do prefeito Alcides Bernal (PP). Em seu julgamento, Lós considerou errado a manejo do “mandado de segurança” pela Câmara contra decisão de relator em ação de mesmo tipo, opinando que a via correta seria o recurso de “agravo regimental”.

Na petição referente ao processo nº 4012536-14.2013.8.12.0000, na 3ª Seção Cível do Tribunal de Justiça, o advogado da Câmara da Capital, André Luiz Pereira da Silva, lembrou no final de semana que Lós, ao indeferir sua petição inicial na sexta-feira (22), deixou consignado que “reputa cabível a interposição de agravo regimental”, a despeito do disposto no parágrafo único do artigo 527 do Código de Processo Civil.

Dois anos atrás, porém, em decisão de 16 de setembro de 2011, segundo o advogado, Lós posicionou de forma totalmente diferente. “Não cabe agravo regimental contra a decisão que indefere ou concede efeito suspensivo ou antecipação de tutela recursal ao agravo de instrumento, conforme dispõe o art. 527, parágrafo único, do CPC”, decidiu Lós, no Agravo Regimental em Agravo de Instrumento n. 0044222-63.2011.8.12.0000.

A decisão de Lós se deu em meio a reviravoltas judiciais em torno da continuidade ou não dos trabalhos da Comissão Processante. O prefeito Alcides Bernal iniciou a disputa judicial, ao ingressar com mandado de segurança na 1ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos de Campo Grande, por entender que a Câmara praticou ato nulo ao criar uma comissão, que tinha quatro vereadores impedidos de votar por terem aprovado o relatório final da CPI do Calote.

O juiz Alexandre Tsuyoshi Ito, da 1ª Vara da Fazenda Pública, rejeitou o pedido de liminar para suspensão dos trabalhos. Houve, então, ingresso de mandado de segurança por Bernal, com concessão de tutela antecipada recursal, decidida na quarta-feira (20) pelo desembargador Hildebrando Coelho Neto. Por sua vez, esta foi cassada na madrugada de quinta-feira (21) pelo desembargador plantonista Luiz Tadeu Barbosa Silva.

Agora, no agravo endereçado a Lós, que pode se retratar da decisão ou encaminhá-la à Mesa para decisão do colegiado, a Câmara de Campo Grande também argumenta que a decisão que suspendeu os trabalhos da Comissão Processante foi de “mérito”, o que teria afrontado o rito do Código de Processo Civil. Embora Hildebrando Neto tenha feito uma decisão com fundamentação genérica, baseada na alegação de deveria ter sido respeitado o princípio do “devido processo legal”, sem fazer referência aos fatos expostos pelas partes, o que a Câmara considerou ser “nula”, Lós não viu motivos para manter a decisão de Luiz Tadeu por considera que a do primeiro não era “teratológica”, ou seja, “monstruosa”.

O advogado da Câmara considerou haver “inexistência de fundamentação na decisão atacada”, com violação à garantia constitucional prevista no inciso IX do artigo 93 da Constituição da República, e aos artigos 131 e 165 do Código de Processo Civil. “A ausência de motivação não deve ser entendida apenas como a total omissão de fundamentação, de rara ocorrência na prática forense, mas também a falta de fundamentação de um ponto que deveria ter sido adequadamente motivado”, sustentou.

Para ele, a deficiência de fundamentação da decisão proferida no agravo de instrumento atacada salta aos olhos quando, diante da imperiosa necessidade de fundamentar a concessão do efeito suspensivo ativo. A fundamentação de um parágrafo de Hildebrando Coelho Neto foi a seguinte: “Sabe-se que o devido processo legal deve nortear toda a atividade dos poderes públicos. Nesse prisma, a ampla defesa se encontra entre as garantias fundamentais previstas na Carta Magna, norteadoras do estado democrático de direto que, por sua vez, decorre do contraditório, configurando este no binômio informação e reação, sendo que aquela possibilita, para o exercício da referida reação, a garantia dos meios de defesa assegurados em lei, aspectos que devem ganhar ainda maior relevância ante procedimentos que possam culminar na supressão de direitos políticos (mandato eletivo e capacidade eleitoral passiva)”.

Os argumentos utilizados pela Câmara de Campo Grande no segundo agravo, de nº 4012393-25.2013.8.12.0000, contra a decisão de Hildebrando Coelho Neto, são quase os mesmos. “O suporte motivador utilizado pelo Desembargador Hildebrando Coelho Neto foi genérico, sem qualquer menção a fato concreto que pudesse embasar o deferimento da pretensão do alcaide”, afirma o advogado André Luiz nesse agravo.

O presidente da Comissão Processante, Edil Albuquerque (PMDB), espera que esse segundo agravo seja julgamento mais rapidamente que o primeiro. Para ele, esse agravo será julgado na reunião de amanhã da 1ª Turma Cível. Já a endereçada a João Maria Lós, que está prestes a entrar de férias, a primeira data disponível para julgamento no colegiado que ele integra, da 3ª Seção Cível, é 20 de janeiro de 2014.

Nos siga no Google Notícias