ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  24    CAMPO GRANDE 24º

Política

Paulo Duarte quer que planos de saúde justifiquem negativa de cobertura

Projeto vai obrigar operadoras a mostrarem recusa de forma clara, sem expressões vagas, abreviações ou códigos

Por Gabriela Couto | 25/04/2024 09:29
Deputado estadual Paulo Duarte (PSB) durante uso da tribuna na sessão desta quarta-feira (24) (Foto: Luciana Nassar / Wagner Guimarães)
Deputado estadual Paulo Duarte (PSB) durante uso da tribuna na sessão desta quarta-feira (24) (Foto: Luciana Nassar / Wagner Guimarães)

Começou a tramitar na Assembleia Legislativa o projeto de lei do deputado estadual Paulo Duarte (PSB) que visa obrigar as operadoras de planos de saúde ou seguro privado de assistência em saúde a apresentarem ao consumidor informações e documentos acerca da negativa de cobertura parcial ou total de exames, procedimentos médicos, cirúrgicos ou de diagnóstico, bem como de tratamento e internação. O texto segue para análise da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação).

Se aprovado e sancionado, a lei determina que em caso de negativa de cobertura, seja total ou parcial, a operadora de plano ou seguro de saúde deverá entregar ao consumidor, independente de solicitação, o comprovante constando o motivo da recusa de forma clara, sem expressões vagas, abreviações ou códigos.

“Enquanto as operadoras de planos e seguros privados não atenderem por si mesmo as condições necessárias para prestar de forma adequada o relevante serviço da saúde, as atuações nos âmbitos administrativo e judicial continuarão a ser fundamentais para adequar os contratos de plano de saúde”, justificou o parlamentar.

No documento deverão constar, ainda, o nome do cliente, número do contrato do plano de saúde, a razão ou denominação social da operadora ou seguradora, o número do cadastro nacional de pessoa jurídica (CNPJ), endereço e uma via da guia de requerimento para autorização da cobertura.

Além disso, mediante solicitação, o hospital privado deverá entregar ao consumidor, no local do atendimento médico, declaração escrita contendo a negativa da cobertura, data e hora da recusa. O usuário do serviço de saúde também deverá receber laudo ou relatório do médico responsável, atestando a necessidade da intervenção e, se for o caso, sua urgência.

“Entendendo os contratos de planos de saúde como instrumentos respaldados pelo Direito do Consumidor, as condutas de lealdade, informação, lisura, cooperação e boa-fé, também devem ser mais do que visíveis, garantindo o equilíbrio contratual entre as partes”, concluiu.

Na hipótese de descumprimento da lei, a operadora sofrerá sanções administrativas, conforme determina o Código do Consumidor. No entanto, há uma ressalva. Em casos de atendimento que envolva procedimentos de urgência ou emergência, não será admitida a aplicação de pena de multa em patamar inferior a 100 UFERMS (Unidade Fiscal Estadual e Referência de Mato Grosso do Sul). Neste mês, o valor equivale a R$ 4.842.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias