A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Agosto de 2017

20/04/2016 11:36

Prefeitura diz que vai à Justiça para impedir greve de professores

Prefeitura oferece 2,79% por conta da lei eleitoral. Categoria exige 11,36%.

Alberto Dias
Declarações foram feitas durante evento no Instituto Mirim. (Foto: Alberto Dias) Declarações foram feitas durante evento no Instituto Mirim. (Foto: Alberto Dias)

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), recorrerá à justiça para impedir a greve nas escolas municipais, prevista para começar em 26 de abril, caso os professores não aceitem o reajuste proposto, de 2,79%. “Pedirei à Procuradoria do Município que entre com uma ação para preservar o direito dos alunos e até dos trabalhadores que querem exercer o seu trabalho”, disse Bernal durante agenda pública nesta quarta-feira (20).

Bernal reuniu-se com representantes da categoria na tarde desta terça-feira (19), quando acordaram que a Prefeitura daria um posicionamento até a próxima assembleia dos professores, marcada para o dia 26. Porém, esta manhã, o prefeito afirmou que a categoria entendeu perfeitamente que o índice de reajuste esbarra na lei eleitoral. “Acabei de ouvir de uma professora que eles aceitam”, disse o prefeito.

Segundo ele, para que o reajuste ultrapasse os 2,79% permitidos pela lei depende agora apenas do Legislativo. “A Câmara pode reapresentar e aprovar o projeto, desde que haja maioria. Isso é legal, está no Regimento Interno e também na Lei Orgânica do Município”, ponderou Bernal. “Eles (vereadores) têm que entender que os 22 mil servidores municipais não podem ser vítimas de interesses políticos”, finalizou.

Reivindicações - Do outro lado da questão, a ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública), exige para a categoria o piso salarial de 11,36% referente a 2016 e 13,01%, em até duas vezes, que deveria ter sido pago em 2015 e, não foi. À frente da ACP, Lucílio Souza Nobre afirma que a categoria não discute índices inferiores, e que pedem apenas o cumprimento da lei 5.411/14.

“Esperamos que o prefeito ele mande uma proposta definitiva para votarmos na assembleia do dia 26”, pondera Lucílio. Conforme rlr, o fato da categoria possuir um piso nacional, não implicará Bernal na LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). “Nosso jurídico fez um estudo que aponta que a nossa lei não se engrada nesta questão eleitoral”, finalizou o sindicalista.

Rede Municipal - Ao todo, 95 mil alunos estudam nos 96 colégios da Reme (Rede Municipal de Ensino), onde as aulas começaram em 15 de fevereiro. No ano passado, os alunos enfrentaram greve por 77 dias.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions