A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

24/05/2017 09:32

Arroz e trigo: relações de valores agrícolas e industriais

Por Lucilio Rogerio Aparecido Alves (*)

Aumentar a oferta de dois alimentos básicos da população brasileira – arroz e trigo – de forma economicamente sustentável é um sério desafio. Os dois cultivos, um de verão e outro de inverno, ocupam cerca de quatro milhões de hectares no Brasil atualmente, sendo que, em 2005, chegaram a ocupar cerca de seis milhões de hectares. Ambos são substitutos no consumo em vários segmentos, assim como em períodos de alteração da renda da população.

Enquanto a produção e o valor da produção agrícola oscilam, a depender dos investimentos realizados por produtores, do melhoramento genético, das condições climáticas, dos preços de mercado, entre outros aspectos, o segmento industrial, especialmente de trigo, parece que está conseguindo ter resultados mais satisfatórios. A grande questão é: como manter a sustentabilidade da cadeia produtiva como um todo?

No mercado de arroz, a maior oferta nacional agrícola foi observada em 2010/11, segundo dados da Conab. A segunda maior, por sua vez, foi registrada em 2004/05. A oferta de 2016/17 ficou 10,4% menor que a de 2004/05, pressionada pela forte redução de 50% da área. A situação só não foi pior porque a produtividade cresceu mais de 80% neste período. A cultura perdeu área em todas as grandes regiões brasileiras, com exceção do Sul.

Segundo dados do IBGE, o valor da produção agrícola de arroz passou de R$ 9,7 bilhões em 2005, para R$ 9,9 bilhões em 2014 – últimos dados disponíveis (deflacionados pelo IGP-DI, base 2016 = 1,00). Enquanto isso, na parte industrial de “beneficiamento de arroz e fabricação de produtos do arroz” (Cnae – Classificação Nacional de Atividades Econômicas – 1061), o valor dos produtos industriais de arroz passou de R$ 8,3 bilhões em 2005, para R$ 12,2 bilhões em 2014.

Assim, enquanto o valor da produção agrícola subiu apenas 1,6%, o valor da produção industrial aumentou expressivos 46,4%. Importante também destacar que, neste período, o consumo interno decresceu. Foi necessário buscar novos mercados via exportação. Além disso, o lançamento de novas versões de arroz, incluindo o parboilizado integral e versões semiprontas com temperos e ingredientes, favoreceu a geração de renda no setor industrial –, mas não necessariamente melhorou a margem de receita. Nos 10 anos (2005 a 2014) aqui analisados, o valor da produção industrial ficou, em média, 14,3% maior que o valor da produção agrícola.

Valendo-se de dados do IBGE, ao desagregar o Cnae 1061, entre 2005 e 2014, destacam-se os crescimentos dos valores da produção para: a) alimentos à base de arroz ou de flocos de arroz – obtidos por expansão, torrefação, pré-cozimento, etc (alta de 321,5% no período); b) arroz integral (elevação de 263,5%); e, c) serviços relacionados ao beneficiamento de arroz (aumento de 147,5%).

Quanto ao setor de trigo, observa-se que a produção agrícola teve média de 5,1 milhões de toneladas entre 2005 e 2016, mas oscilou entre 2,2 milhões de toneladas (2006) e 6,7 milhões de toneladas (2016). No mesmo período, a produtividade média foi de 2,3 t/ha, variando de 1,27 t/ha (2006) a 3,17 t/ha (2016). A área ocupada com a cultura ficou, em média, perto de 2,2 milhões de hectares, tendo tido a menor área em 2005 (1,76 milhão de hectares) e a maior, em 2014 (2,76 milhões de hectares). As discrepâncias entre os valores mínimos e máximos de área, de produtividade e de produção dão um indicativo, inclusive, dos riscos envolvidos com a cultura, também sinalizando a necessidade de definições de políticas públicas de sustentação a produção.

A oferta brasileira de trigo representa menos da metade do consumo interno. Isto justifica as diferenças nos valores das produções agrícola e industrial. De 2005 a 2014, dados do IBGE mostram que o valor da produção agrícola teve média de R$ 3,4 bilhões, oscilando entre R$ 1,9 bilhão (2006) e R$ 4,7 bilhões (2013) – deflacionados para 2016, com base no IGP-DI. Por outro lado, o valor da produção industrial teve média de R$ 13,04 bilhões no mesmo período, ficando entre o mínimo de R$ 10,4 bilhões (em 2005) e o máximo, de R$ 16 bilhões (em 2014). Em média, o valor da produção industrial ficou 281% superior ao da produção agrícola.

O setor industrial de trigo também buscou agregação de valor aos derivados de trigo. Ao analisar os grupos de produtos do Cnae 1062, observa-se que, entre 2005 e 2014, houve crescimento no valor da produção em: a) “alimentos à base de trigo ou de flocos de trigo (obtidos por expansão, torrefação, pré-cozimento, etc), inclusive trigo para quibe” (210%); b) “misturas em pó para massas, para o preparo de bolos, tortas, preparações salgadas, etc.” (127%); c) “serviço de moagem de trigo e serviços relacionados” (111%); e, d) “farelos e outros resíduos de trigo” (88%).

No campo agrícola, tanto de arroz quanto de trigo, há outros desafios. Em termos de custos de produção, no caso de arroz não é incomum receita ficar inferior aos custos totais de produção e, em vários casos, menor até que os custos operacionais. No caso do trigo, a situação é ainda mais desesperadora: é quase incomum a receita gerada superar os custos de produção; na maioria dos anos, não cobre nem os custos operacionais. Em algumas safras, como 2009/10, o governo chegou a apoiar a comercialização de quase 3/4 da produção, no intuito de sustentar a renda do produtor.

Por não se gerar receita suficiente para arcar com os custos totais, certamente a sustentabilidade do produtor fica prejudicada, diante da incapacidade de repor os investimentos em imobilizados e/ou de efetuar novos investimentos. Portanto, para as duas cadeias agroindustriais, especialmente na produção agrícola, há necessidade urgente de definições de políticas públicas, visando definir qual o rumo que se deseja para os próximos anos.

Para a cadeia produtiva do arroz, é baixa a diferença entre o valor das produções agrícola e industrial. Com consumo em queda, a situação pode se complicar ao longo dos próximos anos. No caso do trigo, a dependência da importação é expressiva e a rentabilidade agrícola, baixa. É possível dinamizar a produção interna, a preços competitivos? Quais políticas seriam necessárias? Ou admite-se que a importação é a melhor alternativa? Neste caso, qual a alternativa para produtores da região Sul, em que outros cultivos comerciais também se mostram pouco rentáveis.

(*) Lucilio Rogerio Aparecido Alves é professor da Esalq/USP, pesquisador responsável pelas equipes de Grãos, Fibras e Raízes do Cepea

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions