A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

03/12/2010 09:29

Preservação e produção de alimentos na COP 16

Lucimar Couto

O grande desafio dos brasileiros durante a COP-16, que começa no dia 29, em Cancún, no México, é provar que o nosso país, de forma inédita no planeta, está construindo seu desenvolvimento de forma sustentável. O Brasil é um dos maiores produtores de alimentos do mundo e mantém 56% do seu território com vegetação nativa.

Mesmo com todo esse imenso patrimônio original preservado, que inclui a maior floresta tropical úmida do mundo, a Amazônia, e a maior planície inundável, o Pantanal, continuamos determinados a implementar ações ambientais ainda mais audaciosas. Comprometidos com o desmatamento zero das nossas florestas, os produtores de alimentos do Brasil caminham, agora, lado a lado com a ciência.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil criou o Projeto Biomas, em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a Embrapa, para financiar a preservação dos biomas brasileiros, seis zonas biogeográficas distintas. Vamos fazer o lançamento mundial deste projeto durante a COP 16.

Estamos destinando R$ 40 milhões, que serão aplicados pela Embrapa, em nove anos de pesquisas e em um plano de comunicação. O projeto prevê a identificação e o estudo de áreas estruturalmente frágeis e a criação de unidades demonstrativas, de 500 hectares em cada um dos seis biomas brasileiros: amazônia, caatinga, cerrado, mata atlântica, pampa e pantanal. Essas áreas servirão como modelos para a produção sustentável - funcionarão como vitrines ambientais.

Nosso modelo de agricultura sustentável é reconhecido mundialmente. Queremos mais. Além de exemplo na busca de soluções para reduzir a emissão de gases poluentes, vamos participar efetivamente do esforço mundial de combate a fome no planeta. Vamos cumprir nossa vocação de produtores de alimentos para garantir o cumprimento de uma das metas do milênio da ONU – reduzir, pela metade, a fome no mundo até 2015.

Hoje convivemos com uma trágica realidade - mais de um bilhão de pessoas passam fome no planeta, inclusive no Brasil. O país está entre os que mais produzem alimentos e as projeções são de que, em 15 anos, será o maior entre os produtores.

Provamos a força do setor com números: a produção de alimentos é responsável por um terço do PIB, dos empregos e das exportações do Brasil. Temos, portanto, potencial para multiplicar a produção de alimentos sem derrubar sequer um palmo de floresta nativa. É isso que sabemos fazer com excelência.

Produtores de alimentos, de conhecimento, de ciência e tecnologia, ambientalistas e agentes públicos podem, e devem, ser forças solidárias. Nesta COP 16, temos mais uma oportunidade de firmar uma grande parceria em defesa dos recursos naturais sem prejuízos à segurança alimentar dos países e do planeta.

(*) Kátia Abreu é presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil e Senadora da República pelo estado do Tocantins.

Inteligência espiritual
Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias ...
A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions