A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

17/12/2015 17:07

Um contencioso na OMC para a soja

Por Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias (*)

A pujança da sojicultura é antes tudo resultado da competência e dedicação do agricultor do Brasil. Tornamo-nos grandes produtores através da consistente e permanente incorporação de novas tecnologias. Compensamos a ausência de investimentos públicos em infraestrutura, em especial para o transporte, com o plantio direto, agricultura de precisão, transgenia, insumos químicos modernos, apesar da sempre enorme dificuldade em obter as aprovações oficiais para a utilização de princípios ativos essenciais ao combate de novas pragas.

O desenvolvimento sustentável de importantes regiões do país foi obtido com a ampliação do plantio e produção dessa oleaginosa. Encontramos nas regiões produtoras inúmeras cidades com os melhores índices socioeconômicos do Brasil. Não só como produto de exportação responsável por importantes divisas estrangeiras e parte do equilíbrio macroeconômico do Brasil, a soja é também essencial na alimentação nacional com o óleo vegetal, farelo para a produção das carnes e mais recentemente a esperança do biodiesel. A competitividade do setor porem enfrenta limites.

Nos últimos anos o equilíbrio financeiro do produtor contou com a sorte de variações cambiais positivas entre o plantio e a colheita favorecendo o pagamento das dívidas e novos investimentos. Não podemos, porém, contar sempre com a sorte. Durante um bom tempo foi a ampliação da demanda, em particular da China, que auxiliou o crescimento da produção. A recente queda das cotações resultado de ajustes entre a oferta e a procura mundial exige um grande cuidado.

Acontece que o principal concorrente do sojicultor do Brasil, o norte-americano, recebe o apoio de uma política pública que o isola das flutuações do mercado internacional. A “Farm Bill”, legislação que garante ao produtor norte-americano amplo apoio de subsídios, cria condições desleais ao nosso agricultor.

Encontramos hoje uma condição desfavorável à produção nacional. Todo, ou quase isso, ajuste entre oferta e demanda internacional tem que ser suportado pelo produtor do Brasil. O agricultor do EUA pode ignorar o que ocorre no mundo pois sua renda está garantida pelos vultuosos subsídios aprovado no Congresso em Washington.

Dois grandes programas, um de seguro climático e outro que chamam também de seguro porem é uma garantia de renda, tornam o nosso concorrente não só isolado dos problemas climáticos porem também isolado das flutuações de preço decorrentes de ajustes entre a oferta e demanda. Os dois programas contam fortes subsídios garantidos pela legislação agrícola.

O agricultor pode se concentrar unicamente em produzir sabendo que faça sol ou chuva, comprem ou não os asiáticos, sua estabilidade financeira está garantida pelo Tesouro norte-americano. Esta estabilidade oficial do nosso concorrente amplia em tempo e valor a absorção dos periódicos desajustes entre oferta e demanda pelo agricultor do Brasil. Toda a pressão do ajuste fica em nossas costas.

Do nosso lado enfrentamos as dificuldades de um seguro climático ainda infelizmente incipiente que deveria contar com o apoio governamental porem enfrenta os tropeços das dificuldades orçamentárias do Governo Federal. Seguro ou garantia de preço e renda com apoio oficial nem pensar. A iniquidade entre o nosso produtor com o norte-americano é uma condição inaceitável.

O comercio internacional conta com regras aprovadas na OMC - Organização Mundial de Comércio. Regras que todos os países participaram da elaboração e aprovação. Regras que precisam ser seguidas. Embora tenha havido pouquíssimo progresso na elaboração de novas e melhores regras na chamada rodada Doha de negociações comerciais as que existem, que sabemos deficientes, precisam ser seguidas.

No lançamento desta rodada de negociações no Catar em 2001 a proposta era a redução do nível permitido de subsídios na produção agrícola. Infelizmente não caminhamos neste sentido. A regra existente hoje porem proíbe que através de subsídios, mesmo dentro dos níveis anteriormente autorizados, cause dano a produção de outro país. Exatamente o que a produção subsidiada norte-americana vem causando à produção do Brasil.

Estudos através de modelos econométricos estimam que os subsídios do Tesouro norte-americano repassados aos seus agricultores provocam cerca de US$ 1 Bilhão de Dólares anuais de prejuízo ao Brasil. Sem a intervenção oficial de Washington estaríamos produzindo volumes maiores a preços melhores. Volumes maiores de soja produzida no Brasil seria maior desenvolvimento e mais e melhores empregos. Preços melhores representaria maior estabilidade ao nosso produtor.

É preciso contestar as ilegalidades praticadas pelos norte-americanos. A OMC contempla sistema para a solução deste tipo de divergência. Cumpre ao Governo Federal o acionamento dos mecanismos legais. Cumpre às associações de sojicultores pressionarem e apoiarem as ações do Governo. Felizmente a APROSOJA Brasil, liderada pelo nosso conterrâneo Almir Dalpasquale, está atenta e preparada para as ações necessárias. Vamos à luta.

(*) Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, deputada federal

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions