A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

14/03/2011 10:10

Agepen definirá local de prisão para acusado por morte em disputa de racha

Aline dos Santos e Ricardo Campos Jr.
Foragido desde 2 de março, quando teve a prisão preventiva decretada, Anderson se apresentou hoje. (Foto: João Garrigó) Foragido desde 2 de março, quando teve a prisão preventiva decretada, Anderson se apresentou hoje. (Foto: João Garrigó)

Acusado de provocar a morte de Mayana de Almeida Duarte durante disputa de racha, Anderson de Souza Moreno aguarda que a Agepen (Agência de Administração do Sistema Penitenciário) defina o local onde ficará preso. A vaga já foi solicitada pela polícia.

Foragido desde 2 de março, quando teve a prisão preventiva decretada, ele se apresentou hoje na 1ª delegacia de Polícia Civil. Anderson estava acompanhado pela mãe e irmã. Na semana passada, a justiça negou habeas corpus para o acusado

De acordo com o delegado Márcio Custódio, a polícia chegou a procurar Anderson em dois endereços, citados no processo. Num local, o monitoramento foi feito por 48 horas.

Advogado de defesa, Antônio Carlos Castilho disse que o acusado permaneceu em Campo Grande, mas em local “incerto”. De acordo com ele, a defesa recorreu ao TJ/MS para que a acusação passe de homicídio doloso (com intenção de matar) para homicídio culposo.

No primeiro caso, o réu vai a júri popular e a pena pode chegar a 30 anos de prisão. No segundo, a pena é de até quatro anos de cadeia. “A intenção é colocar como culposo. Foi uma fatalidade”, justifica.

O recurso suspendeu o julgamento, marcado para 30 de março. O advogado acredita que Anderson vá para o Centro de Triagem. Após a Agepen definir o local, ele fará exame no IML (Instituto Médico Legal) e segue para a prisão.

Flagra - A prisão foi decretada porque Anderson, que teve a CNH cassada em virtude do acidente com morte, foi flagrado dirigindo e na contramão no último dia 13 de fevereiro.

Também é réu no processo Willian Jhony de Souza. Investigação da Polícia Civil e denúncia do MPE (Ministério Público Estadual)indicam que Anderson e William disputavam racha. Anderson dirigia o Vectra à frente do Fiat Uno conduzido por Willian.

O Vectra bateu no Celta, conduzido por Mayana. A jovem ficou em estado grave e morreu 12 dias depois no hospital. O acidente ocorreu em 14 de junho de 2010, no cruzamento da avenida Afonso Pena com a José Antônio, em Campo Grande.

Testemunhas disseram que o Uno e o Vectra estavam em alta velocidade. Conforme a denúncia, Anderson “furou” o sinal vermelho e estava a 110 km/h.

Anderson, Willian e Mayana estavam no mesmo local antes do acidente: Valentino Bar. Comandas do local e fotografias mostram que Anderson e Willian consumiram bebidas alcoólicas.



eu nao duvido muito se esses dois ainda nao for soltos e responder o porcesso em liberdade !!!!! esses bebuns que vive ai andando de carro alcoolizado nao sao pegos porque ...nao se faz blits em porta de bares noturnos ...porque se tivesse garanto que muita coisa poderia ser diferente .....quem sai na noite vai encher a cara mesmo ...entao a policia poderia sim marcar em cima desses montros !!!!!!
 
ROGERIO CARVALHO LEONEL em 15/03/2011 12:40:26
que vergonha (AGEPEN) escolher lugar para o moço ficar. só pode ter um pedido Politico por traz. porque se não tivesse, já tinha lugar cérto para o criminoso.(presidio de transito)
 
amilton ferreira de almeida em 14/03/2011 11:43:21
Que passe muitos e tristes anos aí...
 
Adriano Roberto dos Santos em 14/03/2011 10:58:20
SInceramente!!!enfia esse Monstro em qualquer burraco. Parece que não vai refletir nada mesmo...se é desprovido de sentimento de culpa...nem no céu vai mudar essa PERSOLIDADE doentia.
 
neide de oliveira em 14/03/2011 08:48:19
que a justiça seja feita, e que perdure muitos anos enclausurados!!!!!!
 
tatiane rezende em 14/03/2011 08:25:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions