A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

16/04/2013 14:42

Cinco réus são condenados a 115 anos de prisão por latrocínio de casal

Nadyenka Castro
Neidinaldo teve a maior pena: 32 anos e 8 meses de prisão. (Foto: Rodrigo Pazinato/ Arquivo)Neidinaldo teve a maior pena: 32 anos e 8 meses de prisão. (Foto: Rodrigo Pazinato/ Arquivo)

Cinco envolvidos no latrocínio do casal, o empresário Alberto Raghiante Junior, de 55 anos, e a estudante Luzia Damasceno Costa, 24 anos, foram condenados à prisão em regime fechado. A pena deles soma 115 anos e a decisão é do juiz Juliano Valentin Rodrigues, da 5ª Vara Criminal.

O crime aconteceu na madrugada do dia 4 de julho do ano passado, em Campo Grande. O empresário e a estudante estavam dentro do carro dele, um Azera, nas proximidades do terminal Morenão, quando foram abordados por bandidos.

Eles foram levados para um matagal na avenida Três Barras e lá mortos com um tiro na cabeça. O veículo foi levado por um dos assaltantes ao Paraguai.

Os corpos do casal foram encontrados pela manhã e logo depois os envolvidos começaram a ser presos. O primeiro foi Neidinaldo do Nascimento da Silva. Foi ele quem atirou em Luzia e Alberto. A condenação dele foi a maior: 32 anos, oito meses e 27 dias de prisão.

Também recebeu pena alta Antonio dos Santos Vaes. Ele arquitetou o crime mesmo estando preso no Estabelecimento Penal de Segurança Máxima. A condenação é de 30 anos.

A condenação de Neidinaldo também é para os crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Crimes pelos quais Marcelo Araújo Santos pegou seis anos, um mês e 10 dias de prisão. Na casa onde moravam foi encontrado maconha.

Sidney Portilho da Silva foi quem levou os comparsas, de carro, para ‘procurar’ veículo para roubar. Ele também coordenava toda a ação a mando de Antonio. Sidney foi condenado a 25 anos e três meses de prisão.

Julielton Aparecido Gonçalves pegou 21 anos e 15 dias de prisão. Ele veio de Nova Alvorada do Sul para Capital para cometer o crime, ajudou a arquitetar o roubo e levou o veículo roubado para o Paraguai. O automóvel foi recuperado dias depois.

(Matéria editada às 14h59 para correções)



PARABÉNS AO JUIZ PELA MÃO FIRME, O CRIME FOI BÁRBARO E PRECISA DE RESPOSTA RÁPIDA E EFICAZ DA JUSTIÇA.
 
amarildo soares mello em 16/04/2013 15:33:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions