ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  11    CAMPO GRANDE 14º

Capital

Fundação mostra interesse em fazer concurso da Câmara Municipal

Prova deve ser feita no início do ano legislativo de 2017

Por Mayara Bueno | 05/12/2016 11:47
Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Arquivo)
Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Arquivo)

A Fapec (Fundação de Apoio à Cultura e Ensino) está interessada em fazer o Concurso Público da Câmara Municipal de Campo Grande, que deu início ao processo de contratação para promover o certame em 2017.

Acionada na Justiça pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), a casa de leis se viu obrigada a abrir um processo seletivo até início do ano que vem. Até agora, o Executivo Municipal já havia levantado, em estudo preliminar, a necessidade de abrir 102 vagas, o que está mantido.

Embora o processo esteja aberto, a Fapec foi a única, até agora, a entregar ofício com a sua proposta para promover o concurso, segundo o procurador da Câmara Municipal, Fernando Pineis.

Conforme o procurador, a casa de leis optou por dispensar a licitação, ao escolher contratar uma entidade sem fins lucrativos para promover o concurso. No caso, a escolhida será paga com o próprio valor arrecadado com a inscrição. “Para Câmara, não terá custo. A renda da inscrição será revertido a ela. Foi uma opção nossa até para economizar”, explicou.

Detalhes, como a sugestão de valor da inscrição, não foram divulgados, pois a proposta ainda está sendo analisada, afirmou o procurador.

O presidente da casa de leis, o vereador João Rocha (PSDB), havia dito anteriormente que, antes de fazer o concurso, contrataria uma empresa para elaborar um plano de cargos e carreira. No entanto, na própria proposta da Fapec há esta previsão. 

A expectativa da Câmara é abrir inscrição em janeiro e realizar a prova em fevereiro, até porque esta previsão foi firmada por meio de acordo.

Ação – O concurso é realidade agora porque o MPE entrou com uma ação judicial contra a Câmara Municipal em julho deste ano, argumentando que ela mantém a maioria dos funcionários comissionado, aqueles que não passaram por processo público de seleção, o que contraria a legislação.

Outra situação é que o último concurso do Legislativo Municipal ocorreu em 2004. Antes de a Justiça decidir, a casa de leis resolveu firmar um acordo com o Ministério Público, se comprometendo a fazer o certame e demitir funcionários, o que também havia sido pedido pelo MPE.

Nos siga no Google Notícias