ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 15º

Capital

Há mais de 30h, equipe combate incêndio que deixou rodovia encoberta por fumaça

Fumaça dificulta respiração e visão, e bombeiros pedem que atenção seja redobrada

Por Clayton Neves | 26/05/2022 13:58


Há mais de 30 horas, brigadistas e equipes do Corpo de Bombeiros combatem incêndio florestal que atingiu área de fazendas às margens da BR-262, em Corumbá, próximo à região conhecida como Buraco das Piranhas. Com a queimada, densa cortina de fumaça toma conta da rodovia, prejudicando a visão dos motoristas.

Caminhão atravessa cortina de fumaça na rodovia, próximo ao Buraco das Piranhas. (Foto: Direto das Ruas)
Caminhão atravessa cortina de fumaça na rodovia, próximo ao Buraco das Piranhas. (Foto: Direto das Ruas)

Hélio dos Santos Silva, tenente do Corpo de Bombeiros de Corumbá, informou que sete militares estão na região desde às 6 horas de ontem. “Estão atuando juntamente com brigadistas das fazendas”, disse.

Para combater o fogo e evitar que se alastre, caminhões-pipas foram deixados à disposição e os homens fazem o combate direto, usando bombas costais, abafadores, sopradores e maquinários disponibilizados pelas propriedades rurais. “Estamos fazendo aceiros para evitar que o fogo chegue até as fazendas”, explicou.

Em fotos encaminhadas via canal Direto das Ruas, é possível ver o tamanho do problema. Em meio à rodovia, cortina de fumaça prejudica a respiração e visão de quem passa. “É preciso redobrar a atenção, porque o vento muda a direção da fumaça e leva para a pista. Recomendamos que a velocidade seja e a condução feita com cautela”, pontua o tenente Hélio.

O tráfego na região deve ficar mais intenso nos próximos dias, por conta da realização do Festival América do Sul, em Corumbá.

Segundo ele, neste ano, houve atraso nas queimadas que, anualmente, assolam a região pantaneira, no entanto, os focos já começaram a aparecer. “No ano passado, alguns focos começaram em março. Neste ano, demorou um pouco, mas, geralmente, compreende este período em que estamos. A vegetação vai secando e fica propício para as queimadas”, relata.


Nos siga no Google Notícias