A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2018

08/03/2016 13:45

Prefeitura erra e é obrigada a demitir diretores recém nomeados em escolas

Ricardo Campos Jr. e Antônio Marques

Dos 23 diretores de escolas municipais nomeados após exoneração em massa em fevereiro, três já tiveram que deixar os cargos por estarem em desacordo com a lei. A secretária de Educação de Campo Grande, Leila Cardoso Machado, afirma que dois deles estavam em estágio probatório e um é readaptado, sendo impedidos de gerenciar os estabelecimentos de ensino.

Ela não soube explicar por que ninguém conferiu o estado funcional dos servidores antes de publicar o nome deles em Diário Oficial, sendo necessário desfazer o ato no dia 2 de março.

Os diretores irregulares haviam sido escalados para as escolas José do Patrocínio, Oliva Enciso e Major Aviador Juca Pirama de Almeida.

Controvérsias – No dia 17 de fevereiro, o prefeito Alcides Bernal (PP) exonerou 24 diretores e seis adjuntos da Reme (Rede Municipal de Ensino); e 17 diretores de Ceinfs (Centros de Educação Infantil), totalizando 47 demissões.

Naquele mesmo dia foram nomeados 23 diretores e sete adjuntos, além de 18 diretores de creches.

Em 2 de março, além das três demissões por ilegalidade na nomeação, foram exonerados também outro diretor e três adjuntos.

A situação chamou a atenção da Câmara, que convocou o prefeito e a secretária para explicar o motivo de tantas demissões de uma hora para outra, que levantaram a suspeita de perseguição política.

Os dois foram convocados para uma reunião no dia 29 de fevereiro, mas não compareceram. O encontro foi remarcado para quinta-feira (3). Na ocasião, Leila negou perseguição política para as exonerações. Ela afirmou que elas envolveram questões técnicas, uma vez que os profissionais não atendiam ao perfil da atual gestão.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions