ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEXTA  27    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Presos com material pornográfico dizem que sofreram abusos na infância

Esposas de dois presos sabiam que os maridos baixavam conteúdo pornográfico

Por Kerolyn Araújo | 30/10/2020 10:52
Presos foram levados para a DEPCA (Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente). (Foto: Henrique Kawaminami)
Presos foram levados para a DEPCA (Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente). (Foto: Henrique Kawaminami)


O empresário e sargento do Exército, ambos de 37 anos, presos na manhã de ontem (29) durante a terceira fase da operação Deep Caught, contra abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes praticados na internet, relataram em depoimento à polícia que foram abusados sexualmente na infância.

Preso no Vilas Boas, o empresário contou que quando tinha 10 anos foi violentado pelos dois adolescentes, sobrinhos da madrasta. Aos 17 anos, começou a acessar o conteúdo pornográfico após um amigo ensinar a fazer a busca.

O empresário assumiu que é viciado em sexo e assistia o conteúdo durante a madrugada, quando a esposa e os dois filhos, de 9 e 14 anos, estavam dormindo. A mulher sabia que ele acessava material pornográfico na internet, mas não sabia que era infantil.

As imagens foram encontradas no notebook do empresário, que estava no quarto do filho de 9 anos. Ele assumiu que durante um tempo parou de baixar o conteúdo, mas que tinha voltado em outubro.

Com o sargento do Exército, preso no Lar do Trabalhador, os policiais encontraram aproximadamente 15 vídeos contendo cenas explícitas de sexo envolvendo crianças e adolescentes. As imagens estavam no notebook e no celular do autor.

Segundo o sargento, ele tinha preferência por vídeos com adolescentes entre 17 e 18 anos. Quando baixava material onde apareciam crianças de 10 a 12 anos, o conteúdo era apagado.

Ainda segundo o sargento, ele foi estuprado por um vizinho quando tinha 9 anos. Quando os familiares descobriram o abuso, agrediram a vítima e não denunciaram o caso à polícia.

Assim como a esposa do empresário, a mulher do advogado, de 35 anos, preso no Bairro Bom Jardim, sabia que o marido tinha baixado o conteúdo pornográfico. Porém, o casal afirmou que era para um trabalho acadêmico.

A mulher do advogado contou à polícia que os dois estavam assistindo um programa de televisão e passou uma matéria sobre o assunto. O marido, então, teria baixado vídeos para coletar dados para uma palestra de especialização.

O advogado assumiu em depoimento que chegou a acessar a deep web para fazer pesquisas sobre armamento, já que também é policial militar. Em relação ao material pornográfico, ele contou que baixou entre 2018 e 2019, e usou o conteúdo na produção do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), mas não chegou a apresentar à polícia o trabalho.

Questionado sobre o motivo de ainda ter no computador 100 gigas de pornografia envolvendo crianças e adolescentes, o advogado disse que como não utilizava a pasta, acabou esquecendo de apagar.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário