ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Surto respiratório se estabiliza na Capital, mas hospitais seguem lotados

Duas semanas após situação de emergência ser decretada, cenário ainda não é de melhora

Por Cassia Modena | 14/05/2024 10:21
Fila de espera era grande na UPA Moreninhas em 29 de abril; cenário hoje ainda não é de melhora (Foto: Arquivo/Juliano Almeida)
Fila de espera era grande na UPA Moreninhas em 29 de abril; cenário hoje ainda não é de melhora (Foto: Arquivo/Juliano Almeida)

O surto de doenças respiratórias leves e graves, além das mortes e internações relacionadas, está dando trégua em Campo Grande neste início de maio. Porém, a Capital segue sob decreto de emergência por causa delas e continua enfrentando superlotação nas unidades de saúde e hospitais.

Segundo consulta feita hoje (14) ao painel de síndromes respiratórias da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), diminuiu 83% o número de pessoas que morreram entre 28 de abril – dois dias antes da publicação do decreto – e 11 de maio por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave). No mesmo período, a quantidade de casos mais delicados caiu 44%.

A secretária municipal de Saúde, Rosana Leite, explica que os números mais baixos não representam queda, e sim, que a tendência é de estabilidade num cenário que segue difícil.

"Não são indicadores de queda. Os hospitais seguem lotados, tínhamos 40 crianças à noite para serem transferidas [para hospitais] e não tem vaga. Além disso, três pacientes entubados. A tendência é de estabilidade com relação às semanas anteriores, mas a quantidade ainda é considerada alta", detalha Leite.

Arte: Lennon Almeida
Arte: Lennon Almeida

Para completar, esta semana a Capital enfrenta estiagem de mais de 20 dias associada a um período de temperaturas mais baixas devido a uma massa de ar polar, que vem da Argentina. Os termômetros mostravam mínima de 15ºC nesta manhã, segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

Todo esse cenário é "convite" à transmissão de doenças respiratórias. Segundo a secretária, continuam valendo as recomendações feitas pela pasta: uso de máscaras por pessoas com sintomas gripais; lavar sempre as mãos; e se vacinar contra o vírus influenza.

Em 30 de abril, secretária Rosana Leite anunciou decreto de emergência e deu detalhes sobre surto respiratório (Foto: Alex Machado)
Em 30 de abril, secretária Rosana Leite anunciou decreto de emergência e deu detalhes sobre surto respiratório (Foto: Alex Machado)

Outra situação que prejudica o enfrentamento ao surto, é a quantidade alta de acidentes de trânsito, que acaba aumentando a procura por atendimento e reduzindo o número de leitos disponíveis. "Neste domingo de Dia das Mães (12), tivemos muitos casos de traumas atendidos. Então, pedimos cuidado no trânsito", finaliza.

Quase metade - Do início do ano até agora, 1.292 casos de SRAG foram registrados em Campo Grande, número que representa mais de um terço e está próximo à metade dos 3.161 notificados durante 2023 inteiro.

Em todo o Mato Grosso do Sul, segundo o último boletim epidemiológico da SES (Secretaria Estadual de Saúde), houve quatro mortes por SRAG. O cenário estadual em relação aos óbitos também é de estabilidade.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias