A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

13/10/2017 07:56

Terceirizados do HU da Capital cruzam os braços por atraso nos salários

Duas empresas, Luppa e Máximos, afirmam que não receberam repasse do hospital

Mayara Bueno
Funcionários em greve na frente do HU, em Campo Grande. (Foto: Direto das Ruas).Funcionários em greve na frente do HU, em Campo Grande. (Foto: Direto das Ruas).

Pelo menos 65 funcionários terceirizados do HU (Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian), em Campo Grande, paralisaram, nesta sexta-feira, dia 13, as atividades alegando falta de pagamento do salário.

O quinto dia útil, prazo máximo legal para pagar as remunerações, foi em 6 de outubro, sexta-feira passada.

Conforme o presidente do STEAC-MS (Sindicato dos Trabalhadores de Empresa de Asseio e Conservação de Mato Grosso do Sul), Ton Jean Ramalho, as empresas Luppa, de limpeza, e Máximus, de nutrição, banco de leite, entre outros, não depositaram o salário de 107 trabalhadores.

As terceirizadas alegam aos funcionários que o HU não repassou o dinheiro referente aos convênios. "Mas entendemos que a empresa é responsável, mesmo que não haja pagamento da fonte. Não podemos ficar no meio do tiroteio", afirma.

Segundo o dirigente, as empresas e a direção da instituição de saúde estão sabendo oficialmente do movimento, que não tem prazo para acabar. "Vamos ficar parados até o pagamento", disse uma das funcionárias em greve, que preferiu não se identificar.

A reportagem tentou contato com as duas empresas. A representante da Luppa, identificada como Ana Catarina, disse que ainda não estava por dentro da situação da paralisação, mas "adiantou" que o hospital não repassou o valor do contrato.

Esta terceirizada é de Cuiabá (MT), enquanto a Máximus é de Minas Gerais. O dono desta última empresa, Elton Sales, não atendeu a chamada.

A assessoria de comunicação do Hospital Universitário afirma que o hospital repassou o dinheiro - algo em torno de R$ 300 mil - para a Máximus. Disse, ainda, que já existe processo de rescisão do contrato com a terceirizada, já que apresenta problemas de falta de pagamento desde agosto.

"Já acionamos o Ministério do Trabalho, inclusive. O HU tem feito os repasses normalmente, o problema é que a empresa não está pagando os funcionários", disse.

Sobre a segunda empresa, a Luppa, a assessoria afirmou que vai levantar qual a situação dela para saber o problema neste caso.

Trabalhadores aceitam proposta e encerram greve nos Correios
Os trabalhadores dos Correios decidiram hoje (6) aceitar a proposta de acordo coletivo apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e, com is...
Contra privatização da MSGás, funcionários prometem greve nesta terça
Trabalhadores da MSGás, empresa estatal do Governo do Estado que explora o gás natural em Mato Grosso do Sul, prometem entrar em greve por um dia nes...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions