A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

20/06/2012 17:59

Com protesto, servidores, professores e acadêmicos iniciam greve na UFMS

Paula Maciulevicius

Greve acontece em Campo Grande e municípios do anterior. Em todo País, movimentação completou um mês no último domingo

Movimentação reuniu, segundo a Adufms, cerca de 300 professores, servidores e estudantes. (Foto: Simão Nogueira)Movimentação reuniu, segundo a Adufms, cerca de 300 professores, servidores e estudantes. (Foto: Simão Nogueira)

Entre apitos, gritos e batuques, tinha servidor até vestido de morte. De luto pela educação no país. “É uma forma de protesto, mostrar que a educação está morrendo e o Governo não está fazendo nada”, explica sobre a fantasia, o coordenador geral da Sista (Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino do Estado de Mato Grosso do Sul) , Lucivaldo Alves dos Santos. Este era o clima desta tarde na UFMS, após a deflagração da greve dos servidores e professores, que contou com a participação dos alunos. Fato inédito em Mato Grosso do Sul.

Foi com os gritos “a nossa luta unificou. É estudante, servidor e professor” que, segundo Lucivaldo, cerca de 300 pessoas saíram desde a unidade 8, passando corredor central, biblioteca e CCHS (Centro de Ciências Humanas e Sociais).

A animação era grande, de longe se podia ouvir onde o movimento estava concentrado. Quem está na universidade há 40 anos relembra dos altos e baixos vividos ali.

Vestido de morte, coordenador do Sista fala que o luto é pela educação que está morrendo. (Foto: Simão Nogueira)Vestido de morte, coordenador do Sista fala que o luto é pela educação que está morrendo. (Foto: Simão Nogueira)

“Principalmente nos últimos 10 anos tem tido decadência tanto na questão física, corpo docente e de qualidade no ensino. A greve não é do professor, é da universidade”, fala o professor de Educação Física, José Luiz Finocchio, 63 anos.

A paralisação que envolve professores, técnicos e acadêmicos é resultado da assembleia realizada no último dia 15, considerada inédita pela participação das três classes.

José Luiz relembra que isso aconteceu poucas vezes e tem uma resposta pronta. “Isso reflete a condição que chegou o ensino”, completa.

A Adufms afirma que os docentes estão desde 2007 sem reajuste e que não há um percentual definido, mas a classe luta para pelo menos reposição da inflação do período dos últimos cinco anos.

Professor há 40 anos, José Luiz fala que participação de acadêmicos, servidores e professores mostra a condição que a universidade chegou. (Foto: Simão Nogueira)Professor há 40 anos, José Luiz fala que participação de acadêmicos, servidores e professores mostra a condição que a universidade chegou. (Foto: Simão Nogueira)
A animação era grande, de longe se podia ouvir onde o movimento estava concentrado. Movimento saiu da unidade 8 caminhando pelo corredor central até o CCHS. (Foto: Simão Nogueira)A animação era grande, de longe se podia ouvir onde o movimento estava concentrado. Movimento saiu da unidade 8 caminhando pelo corredor central até o CCHS. (Foto: Simão Nogueira)

Os acadêmicos eram quem conduziam a manifestação. Se por segundos era ouvido o silêncio, o tempo servia apenas para ensaiar o novo grito. A estudante do 1º semestre de Letras, Micaeli Monteiro de Oliveira, 18 anos, ressalta que a luta acadêmica é em prol das melhorias.

“Queremos principalmente exigir voto paritário. Já estava na hora, precisamos de muitas melhorias físicas e administrativas”, diz.

As próximas atividades do movimento serão reuniões nesta sexta-feira. Na parte da manhã será com técnicos e na tarde, dos professores.

A greve acontece em Campo Grande, Aquidauana, Bonito, Chapadão do Sul, Corumbá, Coxim, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã e Três Lagoas. Em todo País, a greve dos professores das universidades federais completou um mês no último domingo (17) e segue sem perspectiva para o fim do movimento.

Após assinaturas, professores da UFMS entram em greve a partir do dia 20
A Adufms (Associação dos Docentes da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) conseguiu colher cerca de 240 assinaturas com os professore...
Professores da UFMS de Três Lagoas entram em greve a partir de hoje
Assembleia na sexta-feira define início da greve nos outros campus da UFMSProfessores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) de Três L...


É rapaziada,se não tomarem cuidado viram inocentes úteis p/ fins politicos inconfessaveis.
A greve é um direito dos trabalhadores, porém na iniciativa privada dura pouco porque se não tiver motivo justo o trabalhador perde os dias parados e até o emprego.
No serviço público são intermináveis porque no final não tem punição e nem desconto dos dias parados.
 
Antonio Marques em 21/06/2012 08:53:00
Toda manifestação é válida nessas condições, sem agressão ao patrimônio e solicitando organização. Assim deveriam proceder na política para não eleger elemento suspeito de corrupção e lutar por mudanção.
 
luiz alves em 21/06/2012 07:54:15
Sr. Antônio Marques,
O sr. acha que o motivo da greve não é justo? Certamente o sr. trabalha com carteira assinada e teve aumento durante esses anos. Coisas que não temos já tem muito tempo.
Greve sim! Em favor de melhores condições de trabalho para todos.
 
Cris Alencar em 21/06/2012 01:06:46
Pena que a greve não é um consenso de todos. Muitos acadêmicos e muitos funcionários se manifestaram alegando que não queriam greve. No final de tudo isso, o acadêmico que fica prejudicado, pois tenta-se repor as aulas perdidas e o que já não era tão bom, fica pior!
 
Nayara Torquato em 20/06/2012 09:24:12
É isso mesmo que eu entendi? Os professores reelegeram a atual reitora e entram em greve para protestarem por melhores condições? Pra tu ver, se os professores universitários brasileiros agem assim o que esperar do povão?????
 
Andre Salgado em 20/06/2012 06:50:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions