ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 39º

Interior

Paraguai anuncia morte de terrorista, mas não confirma identidade

Apenas um dos abatidos por militares na região de fronteira foi oficialmente reconhecido

Por Helio de Freitas, de Dourados | 03/08/2021 09:05
Local onde guerrilheiros foram mortos por militares, domingo à noite. (Foto: Diário Hoy)
Local onde guerrilheiros foram mortos por militares, domingo à noite. (Foto: Diário Hoy)

O Ministério Público do Paraguai ainda não conseguiu confirmar a identidade de um dos dois guerrilheiros abatidos em confronto com militares na noite de domingo (1º), na região de Horqueta, a 170 quilômetros de Ponta Porã (MS).

No mesmo dia das mortes, o promotor Federico Delfino anunciou que os mortos eram Alcides Mereles Carballo, 29, e Alejandro Antonio Ramos Ramirez, 22, membros do EML (Exército de Mariscal López). Alejandro seria filho do fundador do grupo, Alejandro Ramos Morel, o “Tenente Joel”.

Entretanto, a autopsia confirmou apenas a identidade de Alcides Carballo. O outro morto continua identificado apenas como “NN”, já que através das impressões digitais, não foi possível encontrar registro da entidade no sistema nacional.

O médico forense Pablo Lemir disse que outras técnicas ainda serão utilizadas, mas demonstrou ter poucas esperanças de confirmação. Outra saída, seria o exame de DNA, mas para isso, os familiares de Alejandro teriam de fornecer material genético para a comparação.

Nesta segunda-feira (2), o comissário Nimio Cardozo, chefe do departamento antissequestro da Polícia Nacional afirmou que o “Tenente Joel” e sua mulher, Lourdes Teresita Ramos Ramírez, obrigaram os filhos ainda adolescentes a fazerem parte do grupo armado. A denúncia teria sido feita pela avó das crianças.

Foi em 2013, que o casal teria procurado os filhos, que estavam sob os cuidados da avó, em Horqueta. Por isso, o rapaz não teria nem mesmo documento de identidade, segundo a polícia paraguaia.

“Conforme os dados da inteligência, o corpo é de Alejandro Ramos Ramírez”, afirmou o promotor. Ele pediu aos familiares que procurem as autoridades na capital, Asunción, para tentar confirmar a identidade do rapaz.

O “Tenente Joel”, pai de Alejandro, foi expulso em 2015 do EPP (Exército do Povo Paraguaio), principal grupo guerrilheiro em atividade na região norte do Paraguai, e montou sua própria guerrilha.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário