ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Ministro acata desistência de habeas corpus de Puccinelli no STF

Ex-governador e outros dois presos ainda aguardam análise de pedido de liberdade no TRF3

Por Anahi Zurutuza | 16/08/2018 13:29
André Puccinelli (de camisa branca) e o filho (de xadrez) ao chegarem no Centro de Triagem Anísio Teixeira, onde estão presos desde o dia 20 de julho (Foto: Saul Schramm/Arquivo)
André Puccinelli (de camisa branca) e o filho (de xadrez) ao chegarem no Centro de Triagem Anísio Teixeira, onde estão presos desde o dia 20 de julho (Foto: Saul Schramm/Arquivo)

O ministro Alexandre de Moraes homologou a desistência do pedido de liberdade feito pela defesa de Andre Puccinelli (MDB), do filho dele André Puccinelli Júnior e do advogado João Paulo Calves ao STF (Supremo Tribunal Federal). Os três investigados na Operação Lama Asfáltica completam nesta quarta-feira (16) o 27º dia na prisão.

Depois que a presidente do Supremo, Carmem Lúcia, decidiu que Moraes julgaria o habeas corpus, os advogados decidiram retirar o pedido. O ministro foi quem neste ano revogou liminar que mantinha o empreiteiro João Amorim e Edson Giroto, o ex-deputado federal e ex-secretário de Obras da gestão Puccinelli, presos.

A estratégia dos advogados é tentar o habeas corpus dos clientes em esferas judiciais inferiores, concentrando-se agora no pedido que aguarda análise no TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região).

O mesmo pedido liminar de habeas corpus feito ao STF já foi rejeitado pelo desembargador Maurício Kato, no TRF-3, e pelo vice-presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Humberto Martins –decisão mantida pela relatora, Maria Thereza de Assis Moura.

Trâmite no Supremo - Por um erro no setor de distribuição, o habeas corpus foi distribuído primeiro para o ministro Dias Toffoli. O advogado Cezar Bittencourt pleiteou que o caso fosse entregue ao ministro Marco Aurélio Mello –que, liminarmente, em 2016, decidiu o primeiro processo relacionado à Lama Asfáltica, concedendo a liberdade a Giroto, Amorim e outros investigados.

No mérito deste pedido, porém, o voto de Mello foi vencido pelo de Alexandre de Moraes, que determinou o retorno dos alvos da terceira fase da força-tarefa à prisão. A partir daí, o STF determinou que Moraes deveria ser, por prevenção, o relator das ações da Lama Asfáltica na Corte.

Prisão - O ex-governador e os advogados André Puccinelli Júnior e João Paulo Calves foram presos em 20 de julho dentro de apurações da Operação Papiros de Lama –quinta fase da Lama Asfáltica, que investiga o uso do Instituto Ícone para recebimento de propina destinadas a integrantes da gestão estadual anterior. Registrada em nome de Calves, a empresa seria de propriedade do filho de Puccinelli, segundo sustenta o Ministério Público Federal.

A prisão foi decretada pela 3ª Vara Federal de Campo Grande, sob apontamentos de necessidade de “garantia da ordem pública” e surgimento de novas provas, que teriam sido ocultadas em uma quitinete no Indubrasil. Tais fatos foram rechaçados pela defesa dos suspeitos.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também

Regras de comentário