A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

11/05/2011 20:09

Tensão pode gerar conflito entre produtores rurais e indígenas

Ana Paula Carvalho e Paula Maciulevicius

Cerca de mil índios estão acampados na Fazenda 3R, em Sidrolândia.

Índios invadiram Fazenda 3R e dizem que só saem se reivindicações forem aceitas. (foto: João Garrigó)Índios invadiram Fazenda 3R e dizem que só saem se reivindicações forem aceitas. (foto: João Garrigó)

Produtores rurais da região de Sidrolândia, município que fica a 71 quilômetros de Campo Grande, dizem que conflito com indígenas será inevitável se os terena não deixarem a Fazenda 3R, invadida na noite de ontem. Segundo eles, há rumores de que os índios fecharão a estrada vicinal que liga a cidade à fazenda, o que aumenta a tensão na área.

Cerca de mil índios terena, entre homens, mulheres e crianças, acamparam na área para reivindicar os 17 mil hectares de terra. “Nós estamos aqui por uma reivindicação de 17 mil e 300 hectares de terra. Agora a gente não vai falar mais nada. Vão embora”, disse um dos indígenas à equipe do Campo Grande News.

Os índios da aldeia Buriti estão armados com facões, foices e armas artesanais. Eles também têm binóculos para vigiar a estrada que dá acesso a fazenda.

Há décadas as famílias cobram a demarcação da área como território indígena. Todas as etapas desse processo foram favoráveis aos terena, mas briga judicial impede a homologação.

Os indígenas vivem nas aldeias Córrego do Meio, Lagoinha e Buriti e dizem não suportar mais a espera pela demarcação dos 17.300 hectares, distribuídos em três fazendas na região de Sidrolândia. Além da 3R, a área engloba as fazendas Querência e Cambará. Hoje são cerca de 4.500 índios confinados em 2.090 hectares de áreas homologadas em Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti. Em 2009, os índios chegaram a ir a São Paulo cobrar providência à Justiça Federal, mas os processos continuam emperrados.

Para Bacha,conflito será inevitável se índios não deixarem fazenda. (Foto: João Garrigó)Para Bacha,conflito será inevitável se índios não deixarem fazenda. (Foto: João Garrigó)

Roberto Rachid Bacha, proprietário da fazenda está na Fazenda Buriti, propriedade ao lado, aguardando por uma solução. "A situação está muito ruim, que a propriedade foi depredada e que já avisou a Secretaria de Segurança do Estado e a Polícia Federal".

Segundo Bacha, aproximadamente 25 produtores da região estão mobilizados e a situação está tensa por que os indígenas afirmaram que vão invadir mais fazendas até sexta-feira se não houver a demarcação das terras.

A assessoria da Polícia Federal informou que não há previsão de mandar equipes para o local para evitar conflitos e, que a ordem tem que vir da Justiça Federal.

Reféns - Ontem o coordenador regional da Funai/MS (Fundação Nacional do Índio), Edson Fagundes e chefe de Meio Ambiente da Fundação, Ricardo Araújo, foram feitos reféns pelos indígenas e foram liberados ontem a noite.

Segundo informações, Edson ficou refém por querer trocar o coordenador das aldeias em Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti, Samuel Dias, para colocar um parente.

Os índios não aceitam a troca e pedem a permanência do chefe atual do posto da reserva ou a substituição pelo professor Maioque, da aldeia Tereré ou Argeu Reginaldo, da aldeia Água Azul.

Esta é a segunda represália feita pelos índios diante da substituição de Samuel Dias. Em março no ano passado, dois funcionários da Funai também foram feitos reféns, porque os índios da reserva queriam que Argeu Reginaldo assumisse a coordenação. Os índios só liberaram os dois homens depois de uma negociação com a diretoria do órgão.

Em maio do ano passado, cerca de 100 indígenas da Aldeia Buriti fizeram o prefeito de Dois Irmãos do Buriti, Wlademir Volk, e mais 50 servidores reféns. Na ocasião, os terena reclamaram que tiveram a promessa de repasse de recursos por parte da prefeitura, fato que acabou não acontecendo e motivando o protesto.

Coordenador Regional da Funai é liberado pelos índios após negociação
Chefe de Meio Ambiente da Fundação também foi soltoO coordenador regional da Funai (Fundação Nacional do Índio), Edson Fagundes, e o chefe de Meio A...
Coordenador da Funai continua refém em aldeia por querer trocar chefe de posto
Índios só liberam Edson Fagundes se a substituição for por um dos candidatos da aldeia O coordenador regional da Funai/MS (Fundação Nacional do Índi...


Certo foi meu pai , que lá pelo idos fins de 1940 , teve direito de herança em terras nesta região , e olha meu irmão naquele tempo quem tinha uma área de duas mil hectares ,era chamado de chacreiro , e não fazendeiro , etc...e tal ,tempos mudaram , mas meu pai foi inteligente vendeu sua parte ,pegou uma grana boa , viveu um vida boa , os carrões da época , todos em Campo Grande tinha inveja da sua BUICK , ´só o quartel general tinha uma igual ,comprada pelo dinheiro público , hoje com todas estas injustiças contra aqueles que herdaram , mas não torraram a grana , agora o índio vem e leva numa boa , aqueles que compraram a terra nela trabalhando , tem gente que começou como empreiteiro ,arrendatário hoje é fazendeiro , mas na sua velhice está vendo o fruto do seu trabalho o índio levando ,invadindo e sorrindo .......hoje eu vejo que meu pai agiu certo no passado , por que ele esta vivo ainda , e do jeito que eu conheço bem o velho , que só conhece a lei do certo e do errado , certamente sua terra jamais seria invadida , a não ser em cima do seu cadáver , certamente ia gastar muita pólvora e chumbo grosso, graças a Deus meu pai vendeu seu direito e hoje tem uma velhice tranqüila .
 
Paulo Roberto Marques Pereira em 25/05/2011 06:13:58
Estamos vivendo a mesma coisa em Bonito, hoje, esta fazendo 2 meses que nossa area esta invadida, consumiram os aniamais da fazenda, expulsaram funcionarios,retiraram gado do arrendatario, foram o inumeros furtos que provocaram. Chegamos em um estado que nao ha mais direito, tudo sendo decidido por ONGs que procuram causar instabilidade no Brasil. A nos, so resta se lamentar e esperar uma decisao judicail e rezar para que nada acabe em tragedia.
 
Rodrigo Vargas em 12/05/2011 11:30:17
isso nunca vai acabar???? essa palhaçada de indigena invadindo terras alheias!
para que existe a FUNAI, concordo com o governador Andre em fechar a FUNAI ,nao serve para nada!! nao tem voz ativa sobre os indigenas! eles fazem o que querem
A justiça com sua morosidade tb nao ajuda em nada! a minha familia tem uma terra em bonit que esta há 02 meses e meio invadida pelos indios! um descaso , um absurdo, pois ja existe uma decisao judicial dando a propriedade a nós!

 
MARINA DE OLIVEIRA KROLL LEITE em 12/05/2011 10:28:08
E preciso fazer algumas correções na matéria veiculada sobre a invasão da fazenda 3R:
A área das aldeias foi demarcada e homologada, como manda a constituição de 1988, com grande comemoração a época por parte dos indígenas.
O que estao querendo na verdade e a AMPLIAÇÃO da reserva!
Nao e verdade que todas as etapas do processo dão ganho de causa aos terena, eis que a primeira decisão da Justiça Federal, proferida pelo Dr. Odilon de Oliveirara, reconheceu a posse e a legitima propriedade pelos atuais proprietários.
A questão e de natureza política e teve inicio por volta do ano 2000.
A pretexto de reivindicação por mais terras, os indígenas estao cometendo crimes de lesa patrimônio, dizimando o rebanho bovino nas áreas invadidas e destruindo o patrimônio físico, construído a duras penas pelos atuais proprietários e pelas suas famílias ao longo de mais de 100 anos!
Contam com orientação e apoio de poderosas organizações internacionais que nao tem absolutamente nenhum compromisso com o pais.
 
Ricardo Bacha em 12/05/2011 10:25:30
Senhor Milton Miguel, isso é busca por direitos e não guerra. Os índios do MS devem ser tratados com dignidade. Até quando ficaremos olhando, parados, de braços cruzados essa população ser massacrada, humilhada e "escravizada"?
 
Mario Salvador em 12/05/2011 10:10:11
Fazendeiros da região sabem q vem ocupando terras indígenas há muito tempo e há muito tempo vem passando mel na limgua de índio.Agora chega! A nova geração acordou e procurou a justiça q lhes deu ganho de causa em todas as estância e só resta pressionar a FUNAI pra começar a demarcação,órgão q virou cabide emprego.Direito de um acaba qdo começa a dos outros.O direito dos Bachas acabou e agora começa a dos indigenas.Vizinhos da 3R ficam se metendo nessa e podem sobrar pra eles.Às autoridades politicas;índio também vota,hein! Ao sr. Milton vale lembrar q quem ajudou a defender terras brasileira na guerra do Paraguay foram os índios e como recompensa tiveram 535 mil hecatres demarcadas.E o honroso exercito se precisar de novo podem convocar.
 
samuel gomes-campo grande em 12/05/2011 09:43:45
O que estes indios pretendem fazer com 17.300 Hac de Terra??
Tenha Cabimento, com certeza com menos de 2 anos estas terras serão vendidas a particulares Novamento...
 
Djenco Brito em 12/05/2011 09:22:02
Muita força aos Terenas de Sidrolandia!
Só tem má vontade dos governos. Se não partirem para as manifestações não vai acontecer nada mesmo. Esses politicos só querem continuar chupando o sangue o suor e o dinheiro do povo. Só tem corrupção e escandalo.
 
Bernadete Guimarães em 12/05/2011 03:21:04
isso é efeito do MST nas aldeias, já que o governo não cuida e não dá apoio, a bandidagem aproveita a brecha , depois é mais dificil controlar... e outrs os fazendeiro tambem merecem respeito, depredar, queimar e etc não é justo
 
marcelo martins em 12/05/2011 02:18:53
acho eu que esta situaçao so o exercito brasileiro pode resolver indio e com exercito temos muito soldado parado
 
milton miguel em 11/05/2011 09:55:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions