A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

28/11/2013 21:07

União promete apresentar proposta de compra da região da Buriti no dia 11

Vinícius Squinelo

No dia 11 de dezembro deste ano, o Ministério da Justiça vai apresentar definição sobre como será feito o pagamento às propriedades rurais que serão indenizadas para ampliação da reserva Buriti, situada nos municípios de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti (MS). E no dia 15 será efetivada a compra de área para aumentar os limites da aldeia dos atuais dois mil para 17 mil hectares.

Os prazos foram propostos por representantes do Ministério em reunião com o governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, secretários de Estado, diretores da Federação da Agricultura e Pecuária de MS e outras lideranças, na governadoria, nesta quinta-feira (29).

Como representantes do Ministério da Justiça estiveram presentes o assessor direto do ministro José Eduardo Cardozo, Marcelo Veiga, e o titular da Secretaria Nacional de Articulação Social, Nilton Luiz Godoy Tubino. Veiga pediu aos produtores prorrogação no prazo final dado ao Governo Federal para o cumprimento das promessas de avaliação e compra das propriedades pretendidas. Em reunião na Famasul, em setembro, produtores rurais estipularam o prazo de 30 de novembro como limite para o Governo apresentar proposta concreta sobre o caso.

Segundo os representantes do Ministério, no dia 11 será apresentada a definição de como será feito o pagamento da área, que abrange 31 propriedades. As duas alternativas consideradas pelo Governo Federal são o repasse direto dos recursos via Governo do Estado ou repasse via Fundo Estadual para Aquisição de Terras Indígenas (Fepati). “Tivemos a garantia do Ministério da Justiça de que o governo já tem o dinheiro para pagar pelas propriedades”, afirmou o diretor Financeiro da Famasul, Almir Dalpasquale, depois da reunião.

Segundo Dalpasquale, os laudos com a avaliação das áreas a serem indenizadas já foram concluídos e aprovados por técnicos da Fundação Nacional do Índio (Funai), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e da Agência de desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer). Em reunião no Ministério, na semana passada, foi formada uma força-tarefa para concluir a avaliação das propriedades. “Foram apresentadas datas definidas e direcionamentos para a conclusão da etapa relativa à Buriti. Vamos dar este voto de confiança”, considerou o diretor da Famasul.

A reunião também teve a presença dos secretários de Estado de Produção de Turismo (Seprotur), Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, e de Justiça e Segurança Pública, Vantuir Jacini, do diretor Secretário da Famasul, Ruy Fachini, e do Procurador Geral Adjunto do Estado (PGE), José Aparecido Barcello de Lima.

Justiça manda índios desocuparem Fazenda São Jorge, em Japorã
A Justiça Federal de Mato Grosso do Sul determinou a desocupação de áreas que faz parte da Fazenda São Jorge, em Japorã, a 487 quilômetros de Campo G...
Índios prometem reagir a leilão de produtor para contratar "melícia armada"
Etnias indígenas Kinikinau, Atikum e Guarani Kaiowá, além de outras lideranças se reuniram por três dias na Aldeia Brejão, município de Nioaque, para...
Índios pedem segurança e produtores vão seguir onda de reação a invasões
Alegando ameaças, índios da Aldeia Passarinho, em Miranda, pediram à Funai (Fundação Nacional do Índio) e a Polícia Federal proteção. Na madrugada de...


Tá vendo? A problemática criada por invasores de terras indígenas por "brancos" está sendo resolvida a nível de governo federal. Não adianta os fazendeiros promoverem arruaças na FUNAI ou o blefe em criar milícias armadas, tudo conversa. "Coronel" quando encontra um coitado em suas terras manda matar na tocaia, típico de um covarde, na espreita. A PAZ NO CAMPO se resolve com DEMARCAÇÃO JÁ! tudo na paz, sem brigas.
 
samuel gomes - campo grande em 29/11/2013 09:43:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions