ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 15º

Sabor

Aos 58 anos, José lucra ao plantar salada que cabe na palma da mão

José Abelha planta microverdes, que são plantas comestíveis que ainda não cresceram até a fase adulta

Por Bárbara Cavalcanti | 17/07/2021 07:16
Bandeija de "micro" beterraba orgânica pronto para comer na salada. (Foto: Arquivo Pessoal)
Bandeija de "micro" beterraba orgânica pronto para comer na salada. (Foto: Arquivo Pessoal)

Entre os hobbies de pandemia, fazer uma hortinha em casa é um dos mais comuns. Mas José Abelha Neto, de 58 anos, foi além e aprendeu a plantar microverdes, que são plantas e hortaliças ainda recém-nascidas.

“Os microverdes são a planta que ainda não chegou na fase adulta, mas também não são mais um broto. É o meio termo entre esses dois estados”, detalha. E tem de tudo: repolho, beterraba, ou couve, tudo em tamanho mini.

Ainda de acordo com José, os microverdes têm até 40 vezes mais nutrientes que uma planta na fase adulta. “Comer microverdes de forma contínua ajuda principalmente quem tem problemas cardíacos ou também quem sofre com câncer. Há casos que, com a ajuda dos microverdes na dieta, foi possível conter o crescimento das células cancerígenas”, comenta.

Bandeija de couve em tamanho mini. (Foto: Arquivo Pessoal)
Bandeija de couve em tamanho mini. (Foto: Arquivo Pessoal)

E José aprendeu a plantar as plantinhas em miniatura na internet, durante a pandemia. “Eu sempre gostei dessas coisas. No meu apartamento pequenininho, mas já estava tomado de hortaliças”, ri.

A pesquisa sobre o assunto por fim chegou nos microverdes. Ele diz ter estudado e até feito cursos on-line sobre o assunto.

José plantando os microverdes em seu apartamento. (Foto: Arquivo Pessoal)
José plantando os microverdes em seu apartamento. (Foto: Arquivo Pessoal)

“É uma técnica específica de plantio. A semente fica germinada no escuro até 72h. Depois, ela passa por um tempo de crescimento da muda para então vir para luz para receber a clorofila e então ficar verde. Depois de uma semana já está pronta para o consumo”, detalha.

Várias bandejas de microverdes, todas prontas para consumo. (Foto: Arquivo Pessoal)
Várias bandejas de microverdes, todas prontas para consumo. (Foto: Arquivo Pessoal)

Ele ainda explica que a semente do vegetal é a mesma, só que a quantidade de sementes utilizadas é diferente. Além disso, ele utiliza sementes orgânicas, sem o adicional de agrotóxico para fazer a planta durar mais.

“Um alface dura mais ou menos uns 45 dias para ficar pronto. Para uma bandejinha de microverdes, são utilizadas várias sementes logo de uma vez e depois de uma semana já está pronto para consumo, a colheita é bem rápida”, explica.

Ainda de acordo com ele, a planta mais “demorada” precisa de no máximo 15 dias para estar pronta para consumo, como coentro ou salsa.

José oferece as plantinhas já cortadas e higienizadas, mas diz que os clientes preferem as plantas vivas. “Assim dura até uma semana na geladeira”, reforça.

Os microverdes tomaram conta do apartamento de José e ele já precisou ir para outro espaço, dessa vez uma casa. E o objetivo é também oferecer cursos para ensinar as pessoas a plantar.

José com várias bandeijas de seus microverdes. (Foto: Reprodução Redes Sociais)
José com várias bandeijas de seus microverdes. (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Mas os microverdes ainda são uma atividade secular, pois José trabalha em escritório durante a semana. “Em um fim de semana eu planto e vou cuidando deles ao longo da semana para comercializar no fim de semana seguinte”, explica.

As encomendas podem ser feitas no telefone (67) 99633-4518.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário