ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 31º

Política

Acordo com PSDB não impede candidatura de André em Campo Grande

José da Cruz | 15/05/2023 16:47
Puccinelli, Renato Câmara e Moka: MDB em peso caminha para apoiar reeleição de Eduardo Riedel. (Foto: Alex Machado)
Puccinelli, Renato Câmara e Moka: MDB em peso caminha para apoiar reeleição de Eduardo Riedel. (Foto: Alex Machado)

Acordo selado hoje no almoço oferecido pela ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB), entre emedebista e tucanos para as eleições municipais do ano que vem, não impede a candidatura do ex-governador André Puccinelli para a prefeitura da Capital. “Do contrário seria rendição”, afirma o ex-senador Waldemir Moka, que substitui o deputado Junior Mochi na presidência estadual do MDB em agosto.

Na reunião, na casa do marido da ministra, Eduardo Rocha, secretário estadual de Governo, com a presença do governador Eduardo Riedel, do ex-Reinaldo Azambuja, Moka, o secretário-executivo em Brasília, Sergio de Paula, os três deputados do MDB, Márcio Fernandes, Mochi e Renato Câmara, ficou certo que os dois partidos vão estar juntos nas eleições municipais, “onde for possível aliança”. “Onde não for, deixa o pau torar”, brinca Moka.

No encontro na casa da ministra, os dirigentes partidários não trataram especificamente de Campo Grande. O MDB deixou claro que quer ser aliado do PSDB. Os três deputados do partido já apoiam o governo do tucano Eduardo Riedel. O que ficou definido é que os emedebistas assumem, desde já, apoio à reeleição do governador em 2026.

Os dirigentes partidários vão mapear os municípios onde os dois partidos têm condições de estar juntos, num mesmo palanque com tucano na cabeça de chapa e emedebista como vice ou o contrário. O MDB quer o apoio dos tucanos para eleger prefeitos e vereadores, com o compromisso de que os eleitos serão “cabos eleitorais” de Eduardo Riedel.

A eleição de Moka para comandar o MDB agradou “gregos e troianos” dos dois partidos, presente no almoço. O ex-senador é tido como “confiável, cumpridor de acordo, ouve muito antes de tomar decisões políticas”. Na conversa de hoje, os dirigentes afirmaram que com o país polarizado politicamente é necessário “trabalhar juntos” para garantir ao estado recursos federais para projetos estruturais, “respeitando as divergências”.

Nos siga no Google Notícias