ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  19    CAMPO GRANDE 28º

Política

André diz que é “inadimissível” que vereadores “se vendam” para Bernal

Por Zemil Rocha e Bruno Chaves | 29/11/2013 17:44
Puccinelli considera que cooptação não pode se basear em compra de votos (Foto: João Garrigó)
Puccinelli considera que cooptação não pode se basear em compra de votos (Foto: João Garrigó)

O governador André Puccinelli considera que os vereadores da Capital têm condições de fazer suas opções a respeito de integrar ou não a base de apoio do prefeito Alcides Bernal (PP), mas advertiu para as tentativas ilegítimas de cooptação. Nesta semana, o secretário municipal de Governo, Pedro Chaves, iniciou conversações com vereadores buscando apoio para Bernal, inclusive com o ex-presidente da CPI do Calote, Paulo Siufi (PMDB).

“Todos os vereadores sabem o que fazer e o que devem decidir; a única coisa que é inadimissível é que se vendam”, afirmou Puccinelli esta tarde, depois de participar, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, da solenidade de entrega de veículo e equipamentos da Sanesul para as dez regionais interior.

A declaração de André aconteceu ao ser questionado sobre o fato de o prefeito Alcides Bernal estar enviando emissários para tentar cooptar vereadores para sua desmelinguida base na Câmara de Campo Grande. De 29 vereadores, Bernal só contou com apoio de oito na votação que decidiu pela abertura do processo de cassação. A busca de novos apoios visa sufocar o movimento pela cassação e propiciar condições efetivas de governabilidade, com possível formação de um governo de “coalizão”.

Embora no questionamento da imprensa nenhum nome tenha sido citado, o governador André Puccinelli mencionou, por conta própria, os dos vereadores Carla Stephanini, presidente do PMDB na Capital, e Airton Saraiva, presidente do Diretório do DEM em Campo Grande. “Carla é dona do nariz dela. Ayrton Saraiva é dono do nariz dele... Cada vereador é dono de seu nariz”, afirmou André.

Insistiu a seguir em sua pregação contra negociatas em troca de votos na Câmara da Capital. “Não quero crer que a cooptação seja a base de compra”, disse o governador.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário