A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

21/11/2013 12:15

Deputados divergem sobre realização dos leilões dos produtores

Leonardo Rocha
Democrata diz que os produtores apenas querem garantir segurança, sem fazer maldades aos índios (Foto: Divulgação)Democrata diz que os produtores apenas querem garantir segurança, sem fazer maldades aos índios (Foto: Divulgação)
Almi diz que ato dos produtores pode gerar a organização dos indígenas para confronto (Foto: Divulgação)Almi diz que ato dos produtores pode gerar a organização dos indígenas para confronto (Foto: Divulgação)

Os deputados divergem sobre a realização de leilões dos produtores rurais com o objetivo de contratar segurança particular para proteger suas propriedades das invasões indígenas. A situação gerou polêmica nas últimas sessões do legislativo, com troca de acusações e opiniões contrárias.

O deputado Zé Teixeira (DEM), que é a favor da realização dos leilões, destacou que quando existe ausência do Estado e “inércia” da Policia Federal, a melhor alternativa é os representantes dos produtores defenderem suas próprias propriedades.

“Não há nada de ilegal, os produtores estão doando seu patrimônio para garantir a segurança de suas terras, o setor está se organizando e tomando as medidas necessárias”, declarou.

O democrata ainda ponderou que não existe intenção de “fazer maldade” com os indígenas, já que nunca foi tomada esta atitude neste conflito no Estado. “Nunca se fez maldade com os índios, eles sim se organizaram e invadiram terras armados, os produtores não revidaram”, apontou.

Junior Mochi (PMDB), por sua vez, ressaltou que este fato novo será importante para que as autoridades competentes comecem a tomar providências sobre o caso. “A lei garante legítima defesa e a segurança de sua propriedade e área, mas fica notável que é o resultado da omissão da União”, destacou ele.

Clima de guerra – Já o deputado Cabo Almi (PT) não vê com bons olhos está ação dos produtores, já que se eles formarem “grupos” para se defender, nada impede que os movimentos sociais e os indígenas também se organizem e façam uma resistência.

“Não se pode levar a questão para ser resolvida no braço ou na força, a situação deve voltar ao início, na negociação e diplomacia e ao no enfrentamento”.

Laerte Tetila também entende que esta medida não gera solução, o que seria importante é cobrar um cronograma de ações para a desapropriação das terras.

“A melhor alternativa é um acordo selado e carimbado, com a definição das datas para a compra das terras, nem que estas sejam feitas em cinco anos, começando por duas ou três propriedades”, afirmou ele.

No 1º dia, leilão de produtores rurais contra invasões garante R$ 600 mil
No primeiro dia de captações, o “Leilão da Resistência”, organizado por produtores rurais de Mato Grosso do Sul, garantiu pelo menos R$ 600 mil para ...
Índios prometem reagir a leilão de produtor para contratar "melícia armada"
Etnias indígenas Kinikinau, Atikum e Guarani Kaiowá, além de outras lideranças se reuniram por três dias na Aldeia Brejão, município de Nioaque, para...


Acorda cabo Almir do PT,em que país voce vive? Os indios estao bem organizados e invadem terras produtivas,destroem sede etc...Daqui a uns anos vamos importar alimentos se continuar do jeito que vai, os produtores tem que defenderem o seu direito já que o estado esta omisso e as leis nao sao cumpridas.
 
Jose Severo em 21/11/2013 21:31:08
O governo já sinalizou que não quer resolver nada, só reunião e conversa , sem decisão nem atitude. E ademais, comprar em 5 anos pode ser bom para o Sr. Laerte Tetila mas para os produtores é um deboche. Vá propor ao comércio que venda para receber em 5 anos, ou melhor que venda para receber em 16 anos, com possibilidade de nunca receber.
 
Mônica Corrêa em 21/11/2013 14:52:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions