ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Cidades

Por mês, quase 15 mil buscam rede de saúde em MS com diagnóstico de obesidade

Estado fica bem acima da médica nacional de obesidade e colocou em consulta pública política de cuidados

Por Cassia Modena | 20/05/2024 09:57
Thainara Holanda atingiu a obesidade mórbida e perdeu 50 quilos (Fotos: Arquivo pessoal)
Thainara Holanda atingiu a obesidade mórbida e perdeu 50 quilos (Fotos: Arquivo pessoal)

Thainara Holanda enfrenta a obesidade desde criança. Quando a balança lhe mostrou 178 quilos e os exames apontavam para uma pré-diabetes aos 27 anos, ela encarou a gravidade do problema de saúde e decidiu tratá-lo a fundo.

"Meus pés começaram a inchar, tive depressão, ansiedade, não ia para outros lugares fora o trabalho", conta. Hoje, ela está com 28 anos, é coordenadora de call center e o tratamento escolhido já deu resultado: perdeu 50 quilos.

Depois de tanta dieta "maluca", segundo ela, o que realmente funcionou foi ser acompanhada por nutrólogo, nutricionista, psicólogo e personal trainer, para perder peso sem ter que se submeter a uma cirurgia bariátrica. A operação para reduzir o estômago não era uma opção que ela desejava.

Acima da média - Em 2023, mesmo ano em que Thainara começou a tentar o tratamento contra a obesidade já classificada como mórbida, 152.522 pessoas foram diagnosticadas com a doença em Mato Grosso do Sul. Em 2024, o número de novos registros já ultrapassa os 67 mil até 15 de maio, média de quase 15 mil pessoas por mês.

Os dados são do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, que reúne dados apenas dos atendimentos na rede de atenção primária do SUS (Sistema Único de Saúde), e foram apurados pela SES (Secretaria Estadual de Saúde). Como a quantidade não soma quem é atendido na rede particular ou quem nunca buscou ajuda para lidar com a obesidade, o número pode ser bem maior.

Arte: Lennon Almeida
Arte: Lennon Almeida

Estudo sobre morte decorrente de obesidade, feito por pesquisadores da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e do Chile a partir de dados de 2019, já colocou o Estado na liderança desses casos. A SES informou que não há atualização em relação a esse indicador, ainda. "O dado refere-se a um artigo publicado, com uma metodologia específica. Portanto, só poderemos responder quando nova pesquisa for publicada", justificou a pasta.

Os números atuais da obesidade em Mato Grosso seguem bastante preocupantes. "Nossa média estadual está acima do Centro-Oeste e acima da nacional", confirma o gerente de Atenção à Saúde das Pessoas com Sobrepeso e Obesidade da SES e também presidente da Associação Sul-mato-grossense de Nutrição, Anderson Holsbach.

Caminho - Até 26 de maio, a SES vai deixar aberta para consulta e sugestões uma LCSO (Linha de Cuidado da Pessoa com Sobrepeso e Obesidade), como resposta aos índices de obesidade no Estado. Ela indica todo o caminho que o paciente percorre para tratar o problema, listando o que o poder público deve oferecer para isso, e de que forma.

Anderson explica qual é esse trajeto, hoje: o paciente recebe o diagnóstico num posto de saúde, faz exame de IMC (Índice de Massa Corporal) e depois é encaminhado para grupos de promoção à saúde e terapêuticos. "Se houver uma redução do peso de 5% a 10% já é considerado satisfatório, mas ele deverá seguir o tratamento", afirma.

Índice de massa corporal é avaliado antes de começar o tratamento de um paciente obeso (Foto: Arquivo/Alex Machado)
Índice de massa corporal é avaliado antes de começar o tratamento de um paciente obeso (Foto: Arquivo/Alex Machado)

O gerente da SES defende que a solução para reverter os números, é envolver diversas áreas, assim como está sendo o tratamento de Thainara.

"Precisamos prezar pela educação e redução do consumo de alimentos ultraprocessados, entender a cadeia produtiva de alimentos, envolver Secretarias de Saúde, Esporte e Lazer, enfim, pensando tudo isso num único movimento", diz Anderson.

Bariátrica - A redução de estômago, ainda falando da rede pública, é considerada somente em casos de obesidade mórbida – quando o resultado do IMC é igual ou maior do que 40. É preciso ter indicação médica.

Em Campo Grande, segundo a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), há 64 pacientes esperando para agendar bariátricas pelo SUS no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul e para o Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, na Capital. Outros 28 aguardam pela primeira entre as demais consultas que antecedem a operação.

No início deste mês, a SES anunciou que iniciará mutirão pelo programa MS Saúde, para desafogar a lista de espera por esse procedimento em todo o Estado.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias